Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Lado azul em vantagem

Primeiro clássico da decisão do Mineiro termina com triunfo do Cruzeiro sobre o Atlético, por 2 a 1, em jogo quente, com bate-boca entre jogadores, expulsões e gol anulado pelo VAR


postado em 15/04/2019 05:05

Zagueiro Leo comemora o gol que definiu o triunfo cruzeirense e deixa o time de Mano Menezes a um empate da conquista do Estadual(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Zagueiro Leo comemora o gol que definiu o triunfo cruzeirense e deixa o time de Mano Menezes a um empate da conquista do Estadual (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

Em clássicos, heróis podem surgir de forma improvável. O primeiro duelo entre Cruzeiro e Atlético, ontem, no Mineirão, pela decisão do Campeonato Mineiro, teve um xerife de zaga celeste como o dono da festa. Em meio a tantos atacantes, o zagueiro Leo marcou seu 21º gol com a camisa azul e assegurou a vitória por 2 a 1 diante de mais de 50 mil pagantes, que permite ao time de Mano Menezes ser campeão com o empate no sábado. De qualquer forma, a decisão continua aberta, com chances para os dois lados. Dono da melhor campanha na fase inicial do Estadual, o Atlético jogará pelo triunfo por placar mínimo, no Independência. Ao optar pelo Caldeirão do Horto, o clube espera contar com a pressão da torcida. Sem compromissos no meio de semana pela Copa Libertadores, celestes e alvinegros usarão todo o tempo para preparar as estratégias e buscar alternativas táticas para surpreender o adversário.

Diferentemente do primeiro confronto deste ano, em 27 de janeiro, pela primeira fase do Estadual (1 a 1), celestes e alvinegros fizeram um jogo de bom nível técnico ontem, com intensidade nas ações ofensivas, boas oportunidades e gols em lances bem trabalhados. O Cruzeiro comprovou seu momento positivo ao conquistar a 11ª vitória consecutiva – é o único dos times de expressão do país que ainda não perdeu em 2019.

Fred valorizou o placar de ontem, mas pediu atenção total dos companheiros no duelo de volta: “Temos de jogar normalmente, como sempre jogamos fora, na Libertadores, no Mineiro. Vamos tentar fazer uma partida de igual para igual. A vantagem passou para o nosso lado, mas é mínima. Temos que atuar para vencer, como sempre fizemos”. Já o atleticano Guga mantém a esperança de levar a taça para a sede de Lourdes: “Estamos muito vivos. Às vezes, nem a técnica ou a tática adiantam. Hoje (ontem) foram os primeiros 90 minutos. Estamos muitos vivos, tanto no Mineiro, quanto na Libertadores. Vamos estar 100% preparados. Jogos assim se definem nos detalhes”.

O clássico teve momentos de nervosismo, com troca de empurrões entre os atletas. Luan teve de ser contido pelos companheiros ao chutar a bola em Egídio quando o lateral estava caído no gramado. Os experientes Fred e Ricardo Oliveira também se estranharam e receberam o cartão amarelo no primeiro tempo. Fred ainda entrou em atrito com o zagueiro Igor Rabello, e ambos foram advertidos verbalmente pelo árbitro Wagner do Nascimento Magalhães. No fim, o volante Adilson e o atacante Rafinha foram expulsos depois de confusão no meio-campo.

O Atlético de Rodrigo Santana foi mais organizado defensivamente do que o time de Levir Culpi. Tentou encarar o Cruzeiro de igual para igual, mas teve o azar de perder o equatoriano Cazares ainda na etapa inicial por fisgada na virilha. Sem o camisa 10, perdeu criatividade no setor ofensivo nos 45 minutos iniciais. O Cruzeiro, por sua vez, mostrou ser um time frio. O contra-ataque foi a arma mais perigosa, sobretudo com Marquinhos Gabriel – autor do primeiro gol do jogo, em chute cruzado que desviou em Leonardo Silva e enganou Victor.

Na etapa final, o nível técnico melhorou em função da evolução ofensiva do Atlético. Com a entrada de Maicon Bolt no intervalo, o Galo ganhou qualidade nas triangulações e chegou ao empate com Ricardo Oliveira, depois de cruzamento de Chará. Mas os celestes se reorganizaram defensivamente e chegaram ao segundo gol, com o zagueiro Leo aproveitando sobra de cobrança de escanteio. Imagem mostrada posteriormente mostrou não ter havido escanteio, já que a bola desviou em Marquinhos Gabriel antes de sair.

Por interferência do auxiliar de vídeo (VAR), Wagner do Nascimento Magalhães invalidou o terceiro gol cruzeirense, marcado por Fred, que escorou com o braço o escanteio cobrado por Egídio. E o goleiro Victor, criticado por torcedores por falhas na goleada sofrida para o Cerro Porteño por 4 a 1, voltou a ser ovacionado por duas belas defesas, salvando o Galo de derrota mais elástica.

VIOLÊNCIA O dia teve também ocorrências policiais envolvedo torcedores. Na mais grave, cinco cruzeirenses foram presos após tentar enforcar um atleticano com uma faixa de quimono, no Horto. Militares que faziam patrulhamento na região foram alertados por moradores e, ao chegarem ao local, presenciaram o grupo estrangulando e espancando a vítima, de 20 anos, que foi levada para a UPA Centro-Sul e liberada após atendimento. Também no Horto, três atleticanos foram detidos com 10 bombas caseiras, 14 foguetes, três bombas-garrafão, três cigarros de maconha e um pino de cocaína no Horto. No Bairro Betânia, um atleticano foi preso com 17 bombas, cerca de 20 bastões de madeira e uma pistola de choque que seriam usados em confrontos com cruzeirenses.




Cruzeiro
Fábio; Edílson, Dedé, Leo e Egídio; Henrique, Lucas Romero (Ariel Cabral 27 do 2º), Robinho (Rafinha 31 do 2º), Rodriguinho (Pedro Rocha 22 do 2º) e Marquinhos Gabriel; Fred
Técnico: Mano Menezes


Atlético
Victor; Guga, Leonardo Silva, Igor Rabello e Fábio Santos; Adilson, Elias, Luan (Maicon Bolt, intervalo), Cazares (Vinícius 18 do 2º) e Chará; Ricardo Oliveira (Geuvânio 41 do 2º)
Técnico: Rodrigo Santana

Estádio:
Mineirão
Gols: Marquinhos Gabriel 45 do 1º; Ricardo Oliveira 10 e Leo 15 do 2º
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ)
Assistentes: Rodrigo Figueiredo Henrique Corrêa e Michel Correia (RJ)
VAR: Bruno Arleu de Araújo (RJ)
Cartão amarelo: Luan, Fred, Ricardo Oliveira, Henrique, Fábio Santos, Lucas Romero, Victor, Edílson e Marquinhos Gabriel
Cartão vermelho: Rafinha e Adílson
Pagantes: 44.650 (51.032 presentes)
Renda: R$ 1.952.766


Publicidade