Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Em 1940, 'um escândalo no meio da rua'


postado em 22/03/2019 05:08

Reprodução de página do Diário da Tarde com matéria sobre as 'prisões'(foto: Reprodução)
Reprodução de página do Diário da Tarde com matéria sobre as 'prisões' (foto: Reprodução)


Em 1940, mulher jogando futebol em Belo Horizonte era caso de polícia. “Mulheres jogavam futebol à noite, no fim da linha de Lourdes”, chamava a atenção o Diário da Tarde de 20/4/1940. “O guarda prendeu as jogadoras e o seu treinador. Uma conseguiu escapar e trancar-se em casa.” O caso parece pitoresco, não fosse trágico, e revela um pouco sobre o preconceito dos primeiros registros de mulheres jogando futebol na capital mineira encontrados nos arquivos dos Diários Associados.

A história: na noite de 19 de abril de 1940, por volta das 21h40, um guarda estava a serviço na esquina da Rua Tomaz Gonzaga com Curitiba, quando foi avisado de que algumas mulheres estavam jogando futebol na Rua Santa Catarina, ao fim do bonde de Lourdes. O guarda, segundo a reportagem, considerou o fato um escândalo, “ainda mais no meio da rua”, e partiu rumo ao local da peleja. Ao chegar, o jogo foi interrompido e o guarda conseguiu prender duas jogadoras, Arletina e Enedina, além de um homem que também participava.

Uma das jogadoras, Noemia, que era empregada doméstica, conseguiu fugir e trancar-se no quarto. “O guarda teve ordens dos patrões para entrar na residência. Mas Noemia não quis abrir a porta e o guarda resolveu ir-se embora”, descrevia o DT, que tachou o guarda como “severo e antidesportivo”.

O ano de 1940 pode ser considerado um marco para o futebol feminino em Belo Horizonte – ou, pelo menos, com os registros mais antigos conhecidos. No começo de abril, o Estado de Minas noticiou a criação do que pode ser o primeiro time de mulheres de Minas Gerais. “O futebol feminino surgido na capital federal teve ampla repercussão em todo o Brasil e agora surge, em um dos mais pitorescos recantos de Belo Horizonte, um club feminino de futebol. Essa nova agremiação esportiva, que recebeu o nome de Mineiras F.C., foi fundada por um grupo de senhoritas da rua Muriaé, princípio do Carlos Prates”, destacava o EM de 5/4/1940.

O time seria treinado pelo técnico de várzea Manoel Vianna. Cleonice, uma das garotas, falou que a inspiração veio de notícias publicadas no Estado de Minas sobre o futebol no Rio de Janeiro. “Sentimos inveja das cariocas e procuramos imitá-las”, disse a jovem, em frente à sede do recém-criado clube. Entretanto, nas edições seguintes não há registros de que a iniciativa do Mineiras F.C. tenha saído do papel.


O PRIMEIRO JOGO

Dois meses depois, em 15 de junho, o campo do América registrou o que o EM trata como o primeiro jogo feminino em Minas Gerais, entre duas agremiações do Rio. “S.C Brasileiro venceu o Casino Realengo pelo ‘score’ de 2 x 1”, era a manchete do EM de 15/6/1940, sobre o jogo realizado no campo do América. “Os teams teem compreensão do difficil esporte bretão”, destacava a descrição da partida. “Algumas garotas confirmaram em toda a linha a fama de que vieram precedidas”, diz o texto, chamando a atenção para os talentos de Targina e Sarah.


Publicidade