Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Pronto para repetir o feito

O atacante alvinegro Ricardo Oliveira se destacou na maioria dos Estaduais que disputou, terminando como artilheiro do Campeonato Paulista, em 2015, e do Mineiro, em 2018


postado em 17/01/2019 05:05

Ricardo Oliveira participou de todas as atividades com bola da pré-temporada até aqui e ano passado foi o segundo jogador que mais atuou com a camisa alvinegra (56 jogos), apesar dos 38 anos(foto: Fotos: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Ricardo Oliveira participou de todas as atividades com bola da pré-temporada até aqui e ano passado foi o segundo jogador que mais atuou com a camisa alvinegra (56 jogos), apesar dos 38 anos (foto: Fotos: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)


A boa média de gols sempre fez parte da carreira de quase duas décadas do atacante Ricardo Oliveira, atualmente com 38 anos e um dos mais experientes do Atlético. O jogador, que surgiu nas categorias de base da Portuguesa, já balançou as redes 369 vezes em 712 partidas como profissional. Quando a competição é o Estadual, ele se sente mais em casa, pois conseguiu balançar as redes e se destacar nas seis vezes que disputou esse tipo de competição. No domingo, diante do Boa, no Independência, ele começa a jogar a segunda edição do Campeonato Mineiro com o Atlético e tem a missão de liderar a equipe em busca do 45º título.

O atacante despontou de fato para o futebol ao ser um dos principais nomes da Portuguesa no Campeonato Paulista de 2001, quando tinha 20 anos e balançou as redes seis vezes em 10 jogos. No ano seguinte, a Lusa não jogou o Estadual por disputar o Torneio Rio-São Paulo. Negociado com o Santos no começo de 2003, o jogador foi um dos poucos a se salvar na campanha ruim do time paulista, eliminado na fase de grupos naquele ano: foram seis gols no mesmo número de jogos.

Ricardo Oliveira arrumou as malas e foi jogar no futebol europeu, ficando mais de uma década sem jogar o Estadual no Brasil – teve passagens pelo São Paulo em 2006 e 2010, mas não esteve na competição. Quando voltou ao país, em 2015, foi artilheiro e campeão com o próprio Santos, marcando 11 vezes em 18 jogos. Na temporada seguinte, foram sete gols em 15 jogos em nova conquista pelo time praiano. Já em 2017, prejudicado por uma caxumba e dores lombares, jogou apenas sete partidas pela equipe da Vila e conseguiu fazer apenas um gol.

No ano passado, pelo Atlético, o atacante dividiu a artilharia com Aylon (então no América) com seis gols em 13 jogos. Mas amargou a perda do título para o Cruzeiro depois da derrota por 2 a 0 no Mineirão, numa partida em que o jogador ficou sumido em campo a maior parte do tempo – o alvinegro havia vencido a primeira partida por 3 a 1, no Independência.

SEM LESÕES O camisa 9 começa 2019 disposto a repetir o feito do ano passado, quando esteve presente em 56 jogos (foi o segundo atleta de linha que mais entrou em campo, atrás apenas de Luan) e não teve lesões. O bom rendimento físico é atribuído ao trabalho desenvolvido em parceria com o departamento físico do clube, que sugere atividades específicas para o jogador.

Nessa pré-temporada, ele esteve presente em todos os trabalhos com bola. Ele é o único centroavante do grupo presente na preparação, já que Alerrandro estava disputando a Copa São Paulo de Futebol Júnior e Papagaio (emprestado pelo Palmeiras) joga o Sul-Americano Sub-20 com a Seleção Brasileira.

O atacante está disposto a manter a programação para buscar novos feitos e títulos em 2019: “É preciso conhecer seu corpo, manter a disciplina, fazer os exercícios propostos e focar muito na recuperação. Desde o início, eu utilizo muito a estrutura cedida pelo Atlético para melhorar o rendimento nos treinos. E também é necessário uma boa alimentação e descanso no sentido de agilizar a preparação para os jogos”, afirma o jogador.

 

enquanto isso...

Galinho cai na Copa São Paulo

A participação do Atlético na Copa São Paulo de Futebol Júnior chegou ao fim ontem. Numa partida em que atuou mal, o time alvinegro perdeu para o Volta Redonda por 2 a 0, na Rua Javari, e deixou a competição ainda nas oitavas de final. A equipe teve o desfalque do armador Bruninho, destaque alvinegro, que sentiu incômodo na panturrilha direita durante o aquecimento. Os gols do time fluminense foram marcados por Caio e Markinhos, ambos na segunda etapa.

 

Atleticanas

Salários atrasados

A diretoria do Atlético se movimenta nos bastidores para quitar o salário dos jogadores relativo a dezembro.
O débito deveria ter sido pago no quinto dia útil deste mês (dia 8), mas o clube usou os recursos em caixa para quitar o 13º, férias e premiações pela classificação à Libertadores.
A diretoria negocia um empréstimo para resolver a situação em até 15
dias, podendo estender para o mês de fevereiro.

 

Briga boa

“É uma disputa sadia. É difícil quem é titular. Galdezani saiu, entrou o Jair. E já havia Blanco, Adílson, Elias e eu. A vaga está aberta. A gente vai brigar por ela”

Zé Welison, volante, falando
sobre a disputa por posições entre
os jogadores de meio-campo

 

Pratas da casa

Dois pratas da casa tiveram seus
contratos renovados pela diretoria do Atlético. O armador Daniel Penha e o atacante Vinícius Silva assinaram
novo vínculo até dezembro de 2023. A pedido do técnico Levir Culpi,
ambos farão parte do grupo principal em 2019.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade