UAI
Publicidade

Estado de Minas

Ações Pelo país


09/12/2021 04:00

São Paulo vai barrar visitante não imunizado

Em direção contrária à decisão do governo federal, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), prometeu adotar o passaporte da vacina no estado. Para isso, foi enviado à União um ofício requerendo a adoção imediata da exigência do documento para viajantes, uma recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) após a descoberta da variante Ômicron. O estado de São Paulo é a principal porta de entrada para estrangeiros no país, por isso, o governador afirmou que, se o governo federal não adotar a exigência do comprovante de vacinação até o dia 15 deste mês, as medidas paulistanas serão ainda mais restritivas – e isso inclui a obrigatoriedade de passaporte de vacinação em aeroportos internacionais. "Aqui não vai ser paraíso de negacionista", disse Doria.

Lula defende comprovante obrigatório  

Em discurso no encerramento do 9º Congresso da Força Sindical, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criticou o presidente Jair Bolsonaro (PL) pela recusa em adotar o passaporte de vacinação no país. “Ele (Bolsonaro) precisa criar responsabilidade e permitir que as pessoas sejam obrigadas a apresentar o teste de vacinação, para proteger a sociedade brasileira. Afinal de contas, surgiu um vírus novo, que a gente não sabe a magnitude desse vírus”, disse Lula.  Aos sindicalistas, o ex-presidente voltou a responsabilizar Bolsonaro por “pelo menos metade das pessoas que morreram”, durante a pandemia.

Piauí corta salário de quem não se vacinar

O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), determinou, por meio de decreto publicado no Diário Oficial do Estado, que servidores e empregados públicos deverão apresentar comprovante de vacinação contra a COVID-19. Além disso, a medida afirma que funcionários que não cumprirem a medida terão corte salarial. "O servidor perderá a remuneração dos dias em que faltar ao serviço por não apresentar o passaporte de vacinação [...] sob pena de cometer violação grave a dever funcional", afirma um trecho do decreto. Com a medida, o governo pretende barrar a onda de pessoas que resistem a tomar o imunizante, além de estimular a vacinação. No Piauí, cerca de 240 mil piauienses estão com a vacinação atrasada. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade