UAI
Publicidade

Estado de Minas LEGISLATIVO DA CAPITAL

TCE recebe denúncia sobre contratos de terceirizados na Câmara de BH

Legislativo fez aditivos de contratos para servidores que trabalham em áreas comuns e administrativas


21/10/2021 04:00 - atualizado 21/10/2021 09:04

Plenário da Câmara de BH
Plenário da Câmara de BH: Casa diz que todos os recrutados via terceirização dão expediente em setores administrativos (foto: KAROLINE BARRETO/CMBH)


O Tribunal de Contas de Minas Gerais (TCE-MG) recebeu representação solicitando a apuração da contratação de servidores terceirizados na Câmara Municipal de Belo Horizonte (CMBH). Na edição de ontem , o Estado de Minas revelou que, mesmo durante a pandemia de COVID-19, o Legislativo da capital mineira fez dois aditivos a um convênio com a Máxima Serviços e Obras.

Em junho do ano passado, quando vigoravam muitas restrições de circulação, um suplemento de R$ 67.515,89 foi celebrado para subsidiar a admissão de quatro novos atendentes, cinco auxiliares de secretaria e um diretor de secretaria. A chegada à corte de Contas de uma peça, no último dia 14, pedindo investigação relacionada ao tema, foi confirmada pela assessoria de comunicação do tribunal.

Representações e denúncias que chegam ao TCE-MG correm em sigilo. Por isso, a corte não pôde dar detalhes do caso. Apesar disso, a reportagem apurou que o pedido de investigação, feito por uma pessoa física, sugere a suspensão do acordo entre a Câmara e a Máxima. Outros contratos também são citados no documento.

O aditivo de junho do ano passado terminou em 31 de dezembro de 2020. Em julho deste ano, o Parlamento belo-horizontino aumentou os pagamentos mensais em R$ 75.433,71, para comportar mais 12 trabalhadores, entre atendentes e auxiliares de secretaria. Os eventuais acréscimos são incorporados ao valor anual do contrato, que pode ser majorado a cada renovação. Na última extensão, não houve reajuste. As cifras globais estão fixadas em R$ 10.690.104. O valor, dividido em 12 meses, resulta em parcelas de R$ 890.842.

Somando os aditivos em vigor aos R$ 890.842 regulares, a reportagem calculou quanto a Câmara desembolsa mensalmente para contar com os serviços da Máxima. As contas apontaram que, desde o gatilho acionado em julho, o valor é superior a R$ 1 milhão. No fim da tarde de ontem, o Legislativo afirmou que os pagamentos mensais sofrem flutuações por causa de questões como o vale-transporte. Apesar disso, o órgão informou que, em agosto, desembolsou R$ 1.019.730,09. No mês passado, as despesas foram de R$ 1.040.947,92.

Durante a apuração sobre o contrato, vereadores e interlocutores ligados ao Legislativo relataram, sob anonimato, que parte das vagas terceirizadas são utilizadas para acomodar indicações políticas. Ontem, outro parlamentar, que também pediu reservas, endossou a história. ''A forma de escolha dos empregados deve ser verificada junto à empresa, já que a ela compete fazer a alocação dos empregados'', rebateu a Câmara. A Máxima foi procurada por telefone. O envio de um e-mail detalhando o assunto foi solicitado. No início da tarde de ontem, a reportagem remeteu mensagens com questionamentos sobre o escopo do contrato e a forma de seleção dos trabalhadores. Não houve retorno até o fechamento deste texto.

A suspeita de uso dos cargos para a recepção de nomes com conexões políticas também consta na representação encaminhada ao TCE-MG. Em tese, o mecanismo da terceirização é utilizado para captar profissionais que consigam suprir as lacunas do contratante. De junho a dezembro do ano passado, segundo dados oficiais entregues pela Câmara, foram repassados R$ 5.770.544,31. No sexto mês daquele ano, passou a vigorar o aditivo de cerca de R$ 67,5 mil. 

CASA ALEGA “REESTRUTURAÇÃO”

A Câmara diz que todos os recrutados via terceirização dão expediente em setores administrativos e credita o aumento de funcionários vindos de empresas externas à “reestruturação administrativa” feita “nos últimos anos”. O cargo de técnico legislativo de nível 1 foi extinto — e terceirizados passaram a exercer parte das funções. ''Com a aposentadoria dos servidores que ocupam esses cargos, ou a proximidade dessa aposentadoria, há a progressiva inclusão de novas vagas de terceirizados para suprir as demandas'', lê-se em trecho de comunicação do Parlamento. O Legislativo garante, ainda, que nem mesmo a imposição das atividades remotas não diminuiu a intensidade dos trabalhos.

O EM questiona, ainda, o que fez o aditivo firmado em junho do ano passado ser o único com data de validade preestabelecida. Os quatro atendentes, os cinco auxiliares de secretaria e o diretor de secretaria foram chamados sob a justificativa dos trabalhos da comissão de combate à COVID-19 criado pela Câmara. As atividades da presidente, a vereadora Nely Aquino (Podemos), no Comitê de Enfrentamento da Prefeitura de BH, também foram citadas. ''Como não se tinha conhecimento da duração dos referidos órgãos, nem da durabilidade das atividades, a opção foi pelo estabelecimento inicial do prazo'', argumenta a CMBH.

O aditivo de julho, superior a R$ 75 mil, segundo a Câmara, serviu para preencher os postos do Núcleo de Cidadania, que presta atendimentos ao público. Os antigos funcionários do espaço, afirma o Parlamento, foram realocados por causa da pandemia. Encorpar o Núcleo de Atendimento à Mulher foi outra razão mencionada.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade