UAI
Publicidade

Estado de Minas SEGUNDO TURNO

Câmara aprova extinção da BHTrans e criação de nova superintendência

Votação foi confusa e dividiu vereadores por conta da situação dos trabalhadores da BHTrans com a mudança


27/09/2021 11:54 - atualizado 27/09/2021 12:40

BHTrans, criada em 1991, é a empresa responsável pela gestão do transporte na cidade de Belo Horizonte
BHTrans, criada em 1991, é a empresa responsável pela gestão do transporte na cidade de Belo Horizonte (foto: Ramon Lisboa/EM/DA Press)
A Câmara Municipal de Belo Horizonte aprovou na manhã desta segunda-feira (27/09), em segundo turno, o projeto de lei que extingue a Empresa de Transporte e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) e a substitui pela Superintendência de Mobilidade do Município de Belo Horizonte (Sumob), batizada também de BH Mobilidade. O texto foi aprovado por 30 votos favoráveis contra nove.
 
O principal ponto da votação não disse respeito à BHTrans e sua gestão, mas sim aos funcionários da empresa de economia mista. A maioria dos contrários ao projeto gostaria de maior segurança aos trabalhadores da instituição. Segundo o vereador Pedro Patrus (PT), os funcionários estão "pagando o pato" com a extinção da BHTrans.

Votos dos vereadores no segundo turno do projeto que extingue a BHTrans
Votos dos vereadores no segundo turno do projeto que extingue a BHTrans (foto: Divulgação/Câmara Municipal de Belo Horizonte)
“Agora, a mobilidade se acopla ao planejamento urbano, porque o trânsito é, sobretudo, fruto da ocupação do solo, e isso é realmente um marco na história do Poder Legislativo de Belo Horizonte”, afirma o vereador Gabriel (sem partido), presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da BHTrans - instalada pela Câmara de BH.

Antes da votação do projeto, os vereadores apreciaram emendas. A maioria delas tratava da questão dos trabalhadores e sobre a situação deles com a transição da BHTrans para BH Mobilidade. A ordem da reunião, realizada em caráter extraordinário e remotamente, foi confusa e gerou críticas de parlamentares também pela apreciação de emendas em blocos.
 
Na Câmara de BH, o projeto passou comissões de Legislação e Justiça, Administração Pública, Desenvolvimento Econômico, Transporte e Sistema Viário e Orçamento e Finanças Públicas.  A aprovação em primeiro turno se deu em 13 de setembro. 

O projeto, formulado com intermédio da CPI da BHTrans e com assinatura final de Alexandre Kalil (PSD), prefeito de BH,  chegou ao Legislativo belo-horizontino em 15 de julho deste ano . Agora, ele retorna às mãos do chefe do Executivo, que deve sancionar a matéria que extingue a BHTrans e analisar as emendas aprovadas.

Sumob  

A intenção é que a Sumob seja responsável por funções da BHTrans, como o planejamento do sistema viário da cidade e a fiscalização do trânsito e dos transportes regulamentados - ônibus, carros e similares. A responsabilidade pelas concessões e autorizações de serviços como vans e ônibus escolares, transportes fretados e táxis também está no escopo da nova entidade. 

 

O projeto trata, ainda, da criação do Fundo Municipal de Mobilidade Urbana (FMU), cujos recursos servirão para subsidiar ações ligadas ao trânsito e ao transporte público belo-horizontino. As multas aplicadas a condutores, por exemplo, serão parte da arrecadação do FMU. O prazo para extinção da BHTrans é de até 15 anos a partir de sancionada a lei, com a vacância de todos os cargos da empresa.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade