Publicidade

Estado de Minas CPI DA BHTRANS

CPI da BHTrans é prorrogada e marca abertura de 'caixa preta' e depoimentos

Comissão da Câmara Municipal de Belo Horizonte busca abrir a 'caixa preta' da empresa pública


15/09/2021 12:14 - atualizado 15/09/2021 13:07

CPI da BHTrans pode ser prorrogada até novembro caso não feche os trabalhos em outubro(foto: Cláudio Rabelo/Câmara Municipal de Belo Horizonte)
CPI da BHTrans pode ser prorrogada até novembro caso não feche os trabalhos em outubro (foto: Cláudio Rabelo/Câmara Municipal de Belo Horizonte)
A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Empresa de Transporte de Belo Horizonte (BHTrans), instalada pela Câmara Municipal de BH, foi prorrogada nesta quarta-feira (15/09) por mais 30 dias, após 90 dias de trabalho e 32 reuniões semipresenciais. O colegiado de vereadores que busca abrir a "caixa preta" da empresa pública também aprovou realização de visitas técnicas e depoimentos.

A não-apresentação de documentos e possíveis obstruções motivaram a continuidade dos trabalhos. A CPI poderia prorrogar a atuação por até 60 dias, mas tentará concluir as investigações até 15 de outubro.

Os eventos acontecerão nas próximas semanas. Na terça-feira (21), durante a tarde, os vereadores visitarão as sedes do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra-BH) e da Transfácil - sistema que opera a bilhetagem eletrônica do transporte coletivo da capital mineira - em busca de informações possivelmente ocultadas.

Na quarta-feira (22), às 13h30, os vereadores vão até a Prefeitura de BH para, literalmente, abrir oito caixas de documentos da BHTrans. Eles, que não foram digitalizados segundo os vereadores, teriam desaparecido, mas reapareceram na última segunda-feira (13). Nesta visita, além dos vereadores, integrantes do Ministério Público de Contas, da Polícia Civil e da própria BHTrans estarão presentes.

Já na tarde do dia 28 de setembro, três depoimentos estão marcados na Câmara de BH: Cristiana Maria Fortini Pinto e Silva, advogada e ex-procuradora-geral do município de BH; Marco Antônio Rezende, ex-procurador da Prefeitura de BH; e Adilson Elpídio Daros, ex-gerente de estudos tarifários e tecnologia da BHTrans.
 
Gabriel ironizou nesta quarta, durante a reunião da CPI, as situações a respeito da falta de documentos para conclusão da CPI em tempo hábil. "Em vez de La Casa de Papel, nós temos aqui a 'Caixa Preta de Papel'. Uma não, oito, parece até piada. Daqui a pouco nós vamos começar a cantar Bella Ciao aqui para ver se dá um ritmo direito para esses assaltantes. É inacreditável".

Todos vão depor na condição de testemunha, e Adilson é apontado por vereadores como o responsável pelo "sumiço" das caixas de documentos. Um dia antes, os vereadores esperam votar, em segundo turno e em reunião extraordinária, o fim da BHTrans e substituição pela Superintendência de Mobilidade do Município de Belo Horizonte (Sumob), batizada de BH Mobilidade.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade