Publicidade

Estado de Minas COVAXIN

'CPI de sete pilantras', diz Bolsonaro após ser citado em depoimento

Depois que irmãos Luis Miranda afirmaram ter comunicado o presidente de irregularidades na compra da Covaxin, houve ataques a senadores em Chapecó (SC)


26/06/2021 14:06 - atualizado 26/06/2021 15:59

Em Chapecó, Bolsonaro andou de moto e atacou oponentes(foto: Isac Nóbrega/PR)
Em Chapecó, Bolsonaro andou de moto e atacou oponentes (foto: Isac Nóbrega/PR)
Um dia após o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF0 afirmar à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da COVID-19 que Jair Bolsonaro (sem partido) apontou a possível participação do líder de seu governo na Câmara dos Deputados em articulações pela importação da vacina Covaxin, o presidente subiu o tom contra os senadores que compõem o comitê. Neste sábado, em Chapecó (SC), ele chamou os parlamentares de “pilantras”.

“Temos uma CPI de sete pilantras que não querem investigar quem recebeu o dinheiro. Apenas quem mandou o dinheiro. Lamentavelmente, o Supremo (Tribunal Federal) decidiu pela CPI. E decidiu, também, que governadores estão desobrigados de comparecer à mesma”, disse, a apoiadores.

Bolsonaro está no interior catarinense para mais um dos passeios de moto com simpatizantes de seu governo.

Luis Miranda é irmão de Luis Ricardo Miranda, funcionário de carreira do departamento de Logística do Ministério de Saúde que alega ter sofrido pressões para acelerar a importação da vacina indiana. Nessa sexta-feira (26/6), o parlamentar contou ter falado com Bolsonaro sobre as articulações incomuns.

Segundo o relato, o presidente apontou possível participação do deputado Ricardo Barros (PP-PR), que lidera a base governista.

As acusações feitas por Bolsonaro neste sábado se somam a uma longa lista de ataques feitos pelo chefe do Palácio do Planalto aos senadores que compõem a CPI. A menção ao STF, por sua vez, ocorre por causa da decisão da Suprema Corte, oficializada na quinta (25), referendando liminar da ministra Rosa Weber para desobrigar a participação de governadores em reuniões do comitê de inquérito.

A coleta de depoimentos dos governantes regionais é bandeira da “tropa de choque” de Bolsonaro na CPI. Eles desejam entender o destino das verbas repassadas pelo governo federal aos estados.

Em Chapecó, o presidente subiu o tom: Querem apurar o quê? No tapetão, não vou levar”.

Apesar de haver aglomeração, o espaço destinado a plateia do pronunciamento de Bolsonaro tinha alguns clarões.



‘Só Deus’


Aos apoiadores em Chapecó, Bolsonaro garantiu que só a vontade divina pode tirá-lo do poder.

“Não adianta provocarem, inventarem, querer nos caluniar ou nos atacar 24 horas por dia, porque não conseguirão. Só uma coisa me tira de Brasília: o nosso Deus. Não vão ganhar no tapetão ou inventando narrativas”, bradou.

Logo em seguida, o presidente passou a relembrar o fato de não ter tomado medidas restritivas para conter o vírus. Ele citou não ter fechado sequer “um botequim”.

No discurso, o presidente disse que há fraudes “a cada eleição” e, por isso, o voto auditável é necessário.

A cidade já foi utilizada por integrantes do governo federal como “case” de sucesso do ineficaz tratamento precoce para o coronavírus. Planalto e prefeitura local chegaram a afirmar que o município zerou as internações em decorrência da infecção por causa do coquetel que tem remédios como a hidroxicloroquina.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade