Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Número de mortes em maio cresce 70% em relação à media de 2020 no país

Apesar da queda em relação a março e abril, óbitos no mês passado sinalizam que doença não teve controle


08/06/2021 04:00 - atualizado 08/06/2021 00:18

Sepultamento de vítima de COVID em BH: apesar da queda em relação a março e abril, óbitos no mês passado apotam que doença não teve controle(foto: ALEXANDRE GUZANSHE/EM/D.A PRESS - 3/1/21)
Sepultamento de vítima de COVID em BH: apesar da queda em relação a março e abril, óbitos no mês passado apotam que doença não teve controle (foto: ALEXANDRE GUZANSHE/EM/D.A PRESS - 3/1/21)


Apesar de viver seu apogeu em mortes em março e abril, os números relativos à tragédia causada pela COVID-19 em maio no Brasil estão longe de atingir uma estabilidade. Levantamento feito pelo Portal da Transparência do Registro Civil mostra que o maio registrou aumento de mais de 70% no número de vidas perdidas se comparado à média de 2020. O total de registros de óbitos em maio foi de 49.282, o que representa 71,19% a mais que no período que a doença chegou ao país, quando a média foi de 28.787.

No último mês, os dados são melhores que os contabilizados em março e abril deste ano, período que representou o auge da segunda onda da COVID-19 e deixou hospitais de todo o território nacional em colapso. Com relação a março, maio aponta queda de 34,1% no número de óbitos, enquanto na comparação com abril a queda foi de 31,2%. Em números absolutos, março teve 74.773 vidas perdidas, enquanto abril registrou 71.665.

Os registros feitos no mês passado não refletem totalmente a realidade, pois as mortes levam até 12 dias, em média, para ir definitivamente para o boletim, conforme o prazo legal. Apesar disso, o presidente da Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen), Gustavo Fiscarelli, afirma que os dados já trazem uma completa dimensão das vidas perdidas pela doença, que já matou mais de 470 mil pessoas desde março do ano passado.

“O acompanhamento mensal dos dados de óbitos no portal da transparência dos cartórios de registro civil permite um retrato real e fiel da realidade que vivemos”, diz. Na visão de Fiscarelli, a imunização vem, aos poucos, sendo refletida na população, com a redução de mortes de pessoas acima de 60 anos. "Depois da violenta segunda onda da pandemia, começamos a ver o resultado efetivo do aumento da vacinação, que, mesmo a passos lentos, já traz reflexo para a população mais velha e deve ser incrementada para também proteger os mais novos e assim reduzir o número ainda alto de mortes pela doença”.

No comparativo com maio do ano passado, quando Brasil registrou 28.667 mortes, o aumento de registros no mês passado foi de 71,9%. Curiosamente, 18 estados apresentam números maiores este ano, enquanto nove apresentam redução numa relação com o mesmo período de 2020. Entre aqueles que registraram diminuição, a maior parte se encontra na Região Norte, a primeira do país a sofrer com a primeira onda. No Amazonas, a queda foi de 81,7% (933 contra 170); no Amapá, de 79,6% (319 x 65), e no Pará, de 78,1% (2.176 x 475). Também registraram queda em maio deste ano na comparação com o mesmo mês de 2020, o Rio de Janeiro, 17,9% (6.779 x 5.562) e o Ceará, 49,8% (3.858 x 1.936).

O Brasil registrou 1.010 mortes por COVID-19 nas últimas 24 horas. O país soma agora 474.414 óbitos desde o início da pandemia, segundo o Conselho Nacional de Secretários de Saúde, o Conass. Já o número de casos confirmados chegou a 16.984.218, com os 37.156 registrados ontem. A média móvel de mortes segue acima de 1,5 mil por dia. E voltou a subir, depois de dias em sequência de queda. No domingo, era de 1.639, e ontem foi de 1.660.

MINAS

A COVID-19 vitimou 5.452 nos 31 dias de maio em Minas Gerais, de acordo com o Portal da Transparência do Registro Civil. A queda é de 39,3% em comparação com abril, e de 68,8% em relação a março, quando o governo de Minas decretou onda roxa em todas as cidades do estado. Se comparado com maio de 2020, o aumento de mortes no mês passado atingiu incríveis 1.033%. Há um ano, o mês dedicado às mães teve 481 vidas perdidas para a COVID-19.

Preocupada com uma ameaça de terceira onda, a Secretaria Estadual de Saúde (SES-MG) orientou que as regiões Triângulo do Sul, Sul, Oeste, Leste do Sul e Centro-Sul adotem mais restrições, como o fechamento de eventos, academias, clubes e salões de beleza, já que os índices epidemiológicos são desfavoráveis.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade