Publicidade

Estado de Minas CPI DA COVID

Randolfe sobre carta da Pfizer: 'Brasileiros morreram por omissão'

Bolsonaro ignorou o documento e outros 53 e-mails da farmacêutica


07/06/2021 17:13 - atualizado 07/06/2021 17:35

Randolfe Rodrigues é vice-presidente da CPI da COVID(foto: Redes Sociais/Reprodução)
Randolfe Rodrigues é vice-presidente da CPI da COVID (foto: Redes Sociais/Reprodução)
O vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquerito (CPI) da COVID-19 no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), usou as redes sociais, nesta segunda-feira (7/6), para comentar a notícia de que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) recebeu em mãos a carta da Pfizer com oferta de vacinas para o país.

“Documentos divulgados hoje comprovam que o próprio presidente recebeu comunicação da Pfizer e não tomou as providências que a urgência da pandemia pedia”, escreveu Randolfe. 

Em vídeo, publicado junto ao post, Randolfe diz que o Brasil já tem elementos suficientes para provar que mais de 80 mil brasileiros morreram por "omissão do governo federal".
 
 
 
Mais cedo, foi notíciado que a carta enviada ao governo brasileiro, em 12 de setembro de 2020, pela farmacêutica Pfizer, chegou até o gabinete do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). É o que apontou um ofício registrado no sistema do Palácio do Planalto.
 
Leia: Carta da Pfizer passou por Bolsonaro e por assessora do Planalto 

O documento foi obtido pelo portal O Antagonista. Até então, havia uma dúvida se as propostas tinham chegado, de fato, ao próprio Bolsonaro.

A carta tratava da oferta de doses de vacina contra a COVID-19 e foi ignorada pelo presidente.

Ainda de acordo com os registros, a diretora de Gestão Interna do Gabinete Pessoal da Presidência, Aida Íris de Oliveira, respondeu o e-mail em 14 de setembro, dois dias depois.
 
 

53 e-mails

Documentos divulgados pelo senador Randolfe Rodrigues mostram que a gestão Jair Bolsonaro deixou de responder 53 e-mails da farmacêutica Pfizer enviados para pedir um posicionamento sobre a compra de vacinas.

 

TCU

O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello chegou a alegar que o governo não aceitou a oferta em função do Tribunal de Conta da União (TCU), que, por meio de nota, desmentiu o ex-ministro.

A primeira ida de Pazuello à CPI foi marcada por tantos relatos contraditórios, que ele foi convocado para um segundo depoimento.


Ainda assim, após o segundo depoimento de Pazuello, o presidente da CPI, senador Omar Aziz  (PSD) declarou considerar a realização de uma acareação entre o ex-chefe da Secretaria de Comunicação (Secom) do governo federal Fabio Wajngarten,  Eduardo Pazuello e um representante da Pfizer.  

* Estagiária sob supervisão da editora-assistente Vera Schmitz 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade