Publicidade

Estado de Minas PRESIDENTE

Bolsonaro chama governador do Maranhão de 'gordinho ditador'; Dino responde

Presidente critica governador de ter contribuído para aumento do desemprego; Flávio Dino também manda o recado: 'Não tenho tempo para molecagens'


21/05/2021 12:18 - atualizado 21/05/2021 12:54

(foto: Fábio Rodrigues Pozzembom/Agência Brasil e ISAC NOBREGA/AFP)
(foto: Fábio Rodrigues Pozzembom/Agência Brasil e ISAC NOBREGA/AFP)
O presidente Jair Bolsonaro fez críticas ao governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), durante agenda em Açailândia, durante viagem ao estado, na manhã desta sexta-feira (21/5). Segundo o mandatário, o chefe do Executivo maranhense promove uma ditadura na unidade da Federação. Bolsonaro chegou a compará-lo com o presidente da Coreia do Norte, Kim Jong-un, e o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, chamando Dino de “gordinho ditador”.

“Lá na Coreia do Sul (o presidente quis se referir à Coreia do Norte) é uma ditadura. O ditador não é um gordinho? Lá na Venezuela também é uma ditadura. Não é um gordinho, lá, o ditador? E quem é o gordinho ditador aqui do Maranhão?”, indagou o presidente. As pessoas que acompanhavam o discurso de Bolsonaro aplaudiram a declaração aos gritos de “fora, Flávio Dino”.

Bolsonaro continuou dizendo que “o comunismo não deu certo em nenhum lugar do mundo, e não vai ser no Brasil que vai dar certo”. Além disso, ele afirmou que “o estado do Maranhão brevemente será libertado dessa praga”.

“Quando se fala em partido comunista, vocês têm que ter aversão a isso e mostrar onde esse regime foi implementado. O que sobrou para o povo foi a igualdade, mas uma igualdade na miséria, na desesperança, na fome, na tristeza, na destruição de famílias e das religiões. Tudo o que não presta simboliza a palavra comunista”, ponderou o presidente.

Em seu Twitter, o governador respondeu: "Bolsonaro anda preocupado com o meu peso, algo bem estranho e dispensável. Tenho ótima saúde física e mental. E estou ocupado com vacinas, pessoas doentes, medidas sociais, coisas sérias. Trabalho muito. Não tenho tempo para molecagens, cercadinhos e passeios com dinheiro público."

Pandemia e quarentena

Bolsonaro ainda atacou Dino pelo fato de o governador ter estabelecido políticas de enfrentamento à pandemia da COVID-19 que interromperam o funcionamento do comércio. Segundo o presidente, essas medidas “não têm qualquer comprovação científica” e apenas contribuíram para que mais pessoas perdessem o emprego durante a crise sanitária.

“Foi apenas uma demonstração de força, de que ele pode oprimir o povo, escravizar o povo, e depois dizer que estava defendendo a tua vida. Defendendo é a ponta da praia, pô. Não quer saber da vida de vocês. Querem poder para ficar na frente do governo eternamente. Isso é questão política. Nós nos conscientizamos de onde foi o erro do passado e o que temos que consertar para o futuro”.

Segundo o mandatário, o novo coronavírus “continua em parte sendo usado politicamente para atingir objetivos pessoais”. Ele defendeu que os brasileiros enfrentem a pandemia sem medo. “Tem uma passagem bíblica na qual se diz que aquele que se comporta como frouxo na hora da angústia, sua força é pequena. Nós devemos enfrentar os problemas”.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade