Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Bolsonaro: atividade essencial é chefe de família levar o pão para casa

Presidente usou as redes sociais para criticar as medidas de isolamento social adotado como medida para contenção da COVID-19 no Brasil


04/03/2021 16:15 - atualizado 04/03/2021 17:01

O presidente visitou nesta quinta as cidades de Uberaba, Minas Gerais, e São Simão, no Sudoeste de Goiás(foto: Alan Santos/PR)
O presidente visitou nesta quinta as cidades de Uberaba, Minas Gerais, e São Simão, no Sudoeste de Goiás (foto: Alan Santos/PR)
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) usou as redes sociais nesta quinta-feira (4/3) para criticar novamente o isolamento social adotado como medida para contenção da COVID-19 no Brasil. 

 
O presidente visitou nesta quinta as cidades de Uberaba, Minas Gerais, e São Simão, no Sudoeste de Goiás(foto: Alan Santos/PR)
O presidente visitou nesta quinta as cidades de Uberaba, Minas Gerais, e São Simão, no Sudoeste de Goiás (foto: Alan Santos/PR)
 

O presidente visitou nesta quinta-feira as cidades de Uberaba, no Triângulo Mineiro, e São Simão, no Sudoeste de Goiás.

Durante visita a Uberaba, Bolsonaro criticou quem cobra por vacinas contra o novo coronavírus. “Tem idiota que a gente vê nas redes sociais, na imprensa, dizendo: 'Vai comprar vacina’. Só se for na casa da tua mãe. Não tem para vender no mundo”, disse. 
 

Já em São Simão, ele afirmou que produtores rurais não se “acovardaram” por não terem ficado em casa durante a pandemia. Também chamou de “frescura e mimimi” o agravamento da doença no país.

“Nós temos de enfrentar os nossos problemas. Chega de frescura e de mimimi. Vão ficar chorando até quando? Temos de enfrentar os problemas”, afirmou o presidente. 
 

Negacionismo

Essa não é a primeira vez que o presidente tem falas negacionistas. Ele já negou a pandemia de COVID-19 e chamou o vírus de "gripezinha". 

Bolsonaro também recomendou remédios e tratamentos sem comprovação científica e se negou a ser vacinado. 
 
Nessa quarta-feira (3/3), o país completou o quinto recorde seguido de mortes pela COVID-19 em 24 horas. Foram registrados 1.910 mortes, de acordo com dados do Ministério da Saúde, somando 259.271 mortes no total. Enquanto o número de casos se aproxima dos 11 milhões (10.718.630).
 
 
* Estagiária sob supervisão da subeditora Ellen Cristie.  


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade