Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

COVID-19: Bolsonaro veta redução de prazo para aval emergencial a vacinas

Trecho que dava à Anvisa cinco dias para autorizar compostos aprovados em outros países acabou barrado de projeto sobre consórcio internacional


02/03/2021 18:35 - atualizado 02/03/2021 18:51

Presidente alterou projeto sobre Covax Facility(foto: AFP / EVARISTO SÁ)
Presidente alterou projeto sobre Covax Facility (foto: AFP / EVARISTO SÁ)
Ao sancionar a lei que permite ao Brasil aderir ao Covax Facility, consórcio internacional para a compra de vacinas contra a COVID-19, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vetou mecanismo que poderia agilizar a análise de imunizantes por parte da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O trecho estipulava cinco dias como prazo para a agência reguladora emitir parecer sobre a utilização emergencial dos compostos.

Ao vetar o dispositivo, Bolsonaro argumenta que apenas o poder Executivo pode deliberar sobre ações referentes às agências reguladoras. Ele diz, ainda, que a ideia “contraria interesse público”.

Para o presidente, a autorização, se dada por meio de prazo de cinco dias, pode fazer com que a Anvisa descumpra um de seus princípios, que é garantir vacinas de “qualidade, segurança e eficácia em território nacional, por meio de avaliação eventual risco de doença ou agravo à saúde da população”.

Além disso, a Constituição é citada como razão para o veto ao trecho. Bolsonaro fala, também, em possível “insegurança jurídica” e pode prejudicar a “autonomia decisória” da Anvisa.

Outros vetos


O projeto aprovado pelo Congresso Nacional autorizava estados, municípios e o Distrito Federal a iniciar estratégias regionalizadas de vacinação caso haja falhas no Plano Nacional de Imunização (PNI). A ideia, contudo, acabou barrada.

Para justificar o ato, Bolsonaro argumenta que a medida viola as competências privativas do presidente e pode acabar judicializando o tema, o que, na visão do governo, pode “comprometer a necessária celeridade da vacinação da população brasileira”.

Segundo ele, a sugestão tem lacunas ao “não prever parâmetros para se aferir existência ou não de eventual omissão ou coordenação inadequada do Ministério da Saúde”.

Vetado, também, artigo que obrigava a saúde federal a tratar da imunização com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems).

Ganhou nulidade o trecho que obrigava o ministério a publicar, periodicamente, relatórios detalhando o processo de vacinação.

Covax


A adesão ao Covax não significa a compra obrigatória de imunizantes. Os acordos devem respeitar questões como as realidades financeiras de cada nação.

Também não há cláusula de exclusividade. Portanto, outros acordos podem ser feitos em paralelo.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade