Publicidade

Estado de Minas PROJETO

Bolsonaro afirma que não 'tem participação' em PEC da imunidade parlamentar

Presidente também disse que fica 'chateado' com críticas de que ele teria proveito próprio com a medida


25/02/2021 20:26

Bolsonaro afirma que não tem envolvimento com a PEC da imunidade parlamentar(foto: (crédito: Reprodução/Facebook))
Bolsonaro afirma que não tem envolvimento com a PEC da imunidade parlamentar (foto: (crédito: Reprodução/Facebook))
O presidente Jair Bolsonaro afirmou, em live nesta quinta-feira (25/2), que "não tem nada a ver" com a PEC que corre na Câmara que restringe a prisão em flagrante de parlamentar somente se relacionada a crimes inafiançáveis listados na Constituição, como racismo e hediondos. O texto, que inicialmente seria votado diretamente no plenário, seguirá para a comissão especial.

"Tudo o que acontece aqui o pessoal aponta para mim e atira. Por exemplo, agora, tem uma PEC que está começando a tramitar no Congresso, o pessoal já tá me criticando. PEC, Proposta de Emenda à Constituição, eu posso apresentar como presidente da República, mas essa PEC é lá do Legislativo. E eu não tenho qualquer participação sobre ela. Porque após, vamos supor que ela seja aprovada em dois turnos na Câmara e dois turnos no Senado, ela vai para a promulgação, não vem pra minha mesa. Eu não posso sequer vetar. E o pessoal não gostou de alguns artigos dessa PEC, começa a atirar em mim", relatou.

O presidente disse também ficar chateado com as críticas as quais caracterizou como "ignorantes" e disse não ter como saber de tudo que acontece no Congresso, devido ao alto número de projetos em trâmite. Ele negou ainda que terá proveito caso a medida seja aprovada.

"Eu não tenho conhecimento dessa PEC. Começou a tramitar lá... se eu não me engano deve ter uns 30 mil projetos, no mínimo, tramitando no Congresso. Eu não tenho como saber de tudo o que acontece lá. E, obviamente, essa PEC, uma vez tramitando, ela tem a ver com a imunidade parlamentar, não tem nada a ver comigo, como chefe do Executivo. Daí o pessoal começa já a tirar, falar que eu vou ter proveito próprio, a família vai ter proveito próprio em cima disso. São críticas que realmente deixam a gente chateado, dada a ignorância de quem critica sem saber o que está falando. Obviamente, eu, o Pedro aqui, podemos ser criticados, sem problema nenhum, mas é com razão. Agora quem vai para uma crítica muito violenta, eu vou pro banimento, um cartão vermelho logo pra ignorância dessa pessoa aqui", completou.

A proposta, de autoria do deputado Celso Sabino (PSDB-PA), proíbe o afastamento de parlamentares do mandato por meio de medida cautelar e estabelece que decisões dessa natureza só poderão ter efeito se confirmadas pelo plenário do Supremo. Caso o parlamentar seja preso,deverá ser mantido sob custódia da Câmara ou do Senado até que o plenário se pronuncie.

Se a prisão for mantida, a audiência de custódia deverá ser realizada em até 24 horas, e o juiz deverá relaxar a prisão, convertê-la em preventiva, conceder liberdade provisória ou aplicar outra medida diferente. O texto deixa claro ainda que o crime inafiançável deve estar previsto na Constituição. Além disso, afirma que busca e apreensão contra parlamentares passam a ser decisão exclusiva do STF.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade