UAI
Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Bolsonaro: "Esperava 10 milhões de demitidos, mas tivemos apenas 1 milhão"

Em live nas redes sociais, presidente pediu fim do isolamento e enalteceu programas do governo para crescimento da economia


10/12/2020 19:56 - atualizado 10/12/2020 20:21

Bolsonaro elogiou programas sociais do governo(foto: Reprodução/Facebook)
Bolsonaro elogiou programas sociais do governo (foto: Reprodução/Facebook)

Ainda que a taxa de mortes e casos tenham aumentado nos últimos dias, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a ressaltar a atuação do Brasil no combate ao coronavírus na questão econômica e pediu o fim do isolamento domiciliar. Em transmissão ao vivo nas redes sociais nesta quinta-feira (10/12), ele destacou que o país conseguiu evitar uma catástrofe maior graças aos programas adotados pelo governo federal depois da pandemia.  

 

 

“Somos destaques no relatório do Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que avalia a projeção das principais economias do mundo. O FMI também classificou como rápida a resposta do governo à COVID-19”, avaliou o presidente, que esteve acompanhado na live de Geraldo Melo, presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), e NaBham Garcia, secretário nacional de assuntos fundiários. 

 

O presidente ponderou que o índice de empregos formais perdidos foi aquém do esperado: “O Brasil foi um dos países que melhor saíram no combate ao coronavírus na questão econômica. Esperávamos 10 milhões de demitidos, mas chegou na casa de 1 milhão graças à medida do governo. Contratos com empresários, que uma parte dos salários foi paga, além do auxílio emergencial a 67 milhões. Foi pouco, mas é uma ajuda. O governo se endividou. Gastamos até agora R$ 700 bilhões”.

 

Ele voltou a insistir que prefeitos e governadores flexibilizem as medidas de isolamento e volte a uma “vida normal”. “Quero que os governos tomem medidas que beneficiem o comércio. Saúde e economia têm de andar juntos. Não adianta fechar tudo de novo. O governo faz o impossível para socorrer estados e municípios. A incidência de óbitos é muito grande para quem tem idade elevada ou comorbidades”, diz o presidente. 

 

“Economia está indo bem. O dólar hoje quase baixou de R$ 5, chegou a bater R$ 5,05 no fim do dia. O preço chegou a bater 5,74 em novembro. Tem reflexo positivo em algumas coisas e negativo em outras”, finalizou Bolsonaro.



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade