Publicidade

Estado de Minas ELEIÇÕES 2020

'Gestão meia-boca', diz Áurea Carolina sobre atuação de Kalil na Prefeitura de BH

Candidata do PSOL concedeu entrevista a jornalistas do Estado de Minas, TV Alterosa e Portal Uai


29/10/2020 10:18 - atualizado 29/10/2020 16:12

Áurea Carolina, candidata do PSOL à Prefeitura de Belo Horizonte(foto: Túlio Santos/EM/D. A. Press)
Áurea Carolina, candidata do PSOL à Prefeitura de Belo Horizonte (foto: Túlio Santos/EM/D. A. Press)

A deputada federal Áurea Carolina, candidata do PSOL à Prefeitura de Belo Horizonte, criticou a gestão do atual prefeito Alexandre Kalil (PSD). Apesar de ter apontado acertos do chefe do Executivo Municipal, como a condução do combate à COVID-19 e a aprovação do Plano Diretor, Áurea condenou a atuação de Kalil perante as empresas de ônibus e as relações políticas do prefeito com membros da Câmara Municipal.

Em entrevista ao Estado de Minas, Áurea Carolina classificou a gestão de Alexandre Kalil como “meia-boca”.

“A gestão do Kalil tem a característica de ser muito mais ou menos. Usando um termo popular, uma gestão meia-boca. Não representou um retrocesso terrível como vemos no Governo Federal, Bolsonaro destruindo direitos sociais numa velocidade assustadora, mas também não avançou o quanto seria preciso. Não enfrentou as grandes contradições da nossa cidade”, declarou Áurea Carolina.

A candidata criticou o fato do prefeito não ter cumprido uma de suas promessas de campanha sobre revisar os contratos do Município com as empresas de transporte coletivo.

Não mexeu nos contratos dos ônibus, a famosa caixa preta da BHTrans, como prometeu. Não teve coragem de enfrentar os interesses dos grandes empresários que controlam essa política em BH. Temos um serviço que não é de boa qualidade, é muito caro e não atende toda a população da melhor forma possível. Pretendemos revisar o contrato atual. Só aplicando as regras atuais é possível reduzir a tarifa para menos de R$4. Imagina se pudermos trazer para o controle público, como é a nossa proposta? A gente propõe o subsídio da passagem, para reduzir o valor para todo mundo e garantir gratuidade para os mais pobres e para os estudantes”, projetou.

Áurea também reprovou a política educacional de Kalil, sobretudo a redução da oferta de escolas em tempo integral.

“Na política educacional, a expansão de vagas na educação infantil veio junto com o empobrecimento dessa política, porque reduziu a oferta em tempo integral e ampliou as vagas na rede parceira. E não na rede própria da prefeitura, como nós defendemos. Claro que a rede parceira tem um papel fundamental e precisa ser apoiada, mas a garantia da política pública vem primeiro com o investimento na coisa pública, nos estabelecimentos públicos, na orientação pedagógica. A oferta em tempo integral, principalmente para as mães trabalhadoras, que estão na periferia, é essencial, para proteger o direito das crianças e das mães. Kalil falhou muito nesse aspecto, embora tivesse uma orientação de ampliar o número de vagas”

Por fim, a candidata desaprovou as alianças do prefeito com “setores muito conservadores” da política, tanto na composição da chapa quanto com vereadores belo-horizontinos.

“Kalil tem na sua gestão setores muito conservadores, com uma agenda econômica muito ruim para a população. É só ver o candidato a vice dele, Fuad Nomam, que foi um gestor que atuou no governo estadual de Minas Gerais com uma política de austeridade chamada choque de gestão. Essa política significa uma retração dos investimentos públicos principalmente nas áreas sociais. O estado acaba sendo ausente e omisso nas suas obrigações de garantir serviços necessários para atender a população, mas investe muito em repressão, nessa lógica de controle social da população de maneira muito violenta. Tudo isso está presente na gestão Kalil. É importante a população saber que há interesses em jogo que não podem ser conciliados sempre”, destacou.

Ela completa: “Sabemos que a base do Kalil na Câmara é muito contraditória. Há uma facção fundamentalista, bolsonarista, que apoia a gestão do Kalil e é preciso denunciar isso. Então, Kalil joga às vezes de um lado e de outro de acordo com a conveniência. É um governo de centro”.

Acertos de Kalil

Apesar das críticas, Áurea Carolina também apontou acertos do governo de Alexandre Kalil. O primeiro deles foi o comportamento do prefeito diante da pandemia e sua atuação baseada em critérios técnicos e científicos.

“É preciso admitir que na pandemia, o Kalil teve uma postura correta em se basear numa orientação técnica, científica, sobre as medidas sanitárias. Segurou o isolamento social por um tempo considerável e isso fez com que as taxas de contágio e de morte, comparativamente com outras grandes capitais, fossem menores Isso é resultado de uma política pública. Por outro lado, foi insuficiente a resposta no setor econômico, de apoio pequenos aos comerciantes, pequenos empreendedores, que foram extremamente prejudicados na pandemia”.

Ela segue destacando positivamente a conduta de Kalil na promulgação do Plano Diretor da capital. “Outro acerto que reconhecemos foi a aprovação do Plano Diretor, numa articulação com a Câmara Municipal”.


Eleições 2020: como votar, datas e horários

O primeiro turno das eleições 2020 será em 15 de novembro e, caso seja necessário no seu município, o segundo turno será realizado em 29 de novembro de 2020. Nestas eleições, o horário de votação vai das 7h às 17h. O horário entre 7h e 10h é preferencial para maiores de 60 anos.

Com as novas medidas diante da pandemia do coronavírus, preparamos um guia com tudo que você precisa saber para votar nas eleições 2020.

O que muda nas eleições 2020?

Muitas mudanças foram feitas pela Justiça Eleitoral para os candidatos a prefeito e vereador durante o período eleitoral de 2020. Além disso, os eleitores também terão de se adaptar às novas normas para os dias de votação, como a abertura antecipada das seções eleitorais e as regras de higiene determinadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).  


Como justificar o voto nas eleições 2020?

Os eleitores poderão optar por justificar o voto de três formas: 
  • No dia das eleições: o eleitor que estiver fora de sua cidade pode justificar a ausência em qualquer local de votação, das 7h às 17h. O eleitor deverá ter o número do título, um documento oficial de identificação e o formulário de justificativa preenchido.

  • Depois das eleições: preenchendo o formulário de justificativa em qualquer cartório eleitoral ou posto de atendimento ao eleitor em até 60 dias após a votação.

  • A justificativa também poderá ser feita no aplicativo e-Título.

Eleições 2020 em Belo Horizonte

Na capital mineira, 15 candidatos disputam as eleições para prefeito. Conheça quem são os candidatos e o perfil de cada um deles na corrida rumo à Prefeitura de Belo Horizonte (PBH). 

Já para vereador, Belo Horizonte conta com mais de 1,5 mil candidatos. Alguns apostaram em apelidos e codinomes bem inusitados para conseguir votos.



Para acompanhar a cobertura completa das eleições em BH, acesse nosso especial

Para saber mais sobre as Eleições 2020 em Minas Gerais, leia também a cobertura completa das eleições na Grande BH e nas regiões Centro-OesteLesteNorteSul de MinasTriângulo Mineiro e Zona da Mata.



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade