Publicidade

Estado de Minas COOPERAÇÃO

Aproximação entre Brasil e EUA rende acordo para investimento americano

O ministro da Economia, Paulo Guedes, assinou um memorando de entendimento com o Banco de Fomento americano, a fim de facilitar empréstimos para financiamento de projetos na área de exportação


20/10/2020 17:48

Governos assinaram acordo de cooperação, nesta terça-feira, na embaixada americana no Brasil(foto: Divulgação/Embaixada dos EUA)
Governos assinaram acordo de cooperação, nesta terça-feira, na embaixada americana no Brasil (foto: Divulgação/Embaixada dos EUA)
Após a assinatura do Acordo de Comércio e Cooperação Econômica entre Brasil e Estados Unidos, mais uma medida para intensificar o relacionamento bilateral foi firmada, nesta terça-feira (20/10), entre representantes das nações. Se trata de um memorando de entendimento, no valor de US$ 1 bilhão (equivalente a cerca de R$ 5,6 bilhões), com financiamento do Banco de Fomento Americano (Exim, na sigla em inglês) para promoção de oportunidades de desenvolvimento de negócios

Presente na reunião, o ministro da Economia, Paulo Guedes, assinou o documento, junto à presidente do Export-Import Bank dos EUA (EXIM), Kimberly Reed. O memorando facilita empréstimos para financiamento de projetos na área de exportação, sobretudo com foco nas áreas de telecomunicações (incluindo 5G), energia (incluindo nuclear, petróleo e gás, e renováveis), infraestrutura, logística, mineração e manufatura (incluindo aeronaves).

“Esse acordo chega em um momento exato em que a nossa infraestrutura, logística, cabotagem, mineração, petróleo, gás natural, todo esse horizonte de investimentos começa a ser desbloqueado. O Congresso está aprovando, passo a passo, cada uma dessas regras de modernização do nosso marco regulatório de investimento e estamos também trabalhando junto com os americanos os principais organismos multilaterais”, destacou Guedes.

O ministro da Economia ainda definiu a aproximação bilateral como um movimento para além da visão econômica, mas também no âmbito da segurança: “As novas tecnologias digitais são decisivas. Foram decisivas para eleição do nosso presidente, para a manutenção dos sinais vitais de funcionamento da nossa economia e serão decisivas, também, no futuro. Tudo isso está sendo discutido aqui entre os nossos governos”. Dentro da discussão, está o embate pela implementação da tecnologia 5G, com sinalização pelo governo americano de investimento nas empresas de telecomunicação brasileiras, a fim de barrar negociações com a chinesa Huawei.

Antes da assinatura, o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Robert O’Brien, se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro e membros do alto escalão do Governo Federal brasileiro para discutir os próximos passos dos acordos comerciais firmados, além de oportunidades de novos investimentos norte-americanos no Brasil.

“Desde o primeiro contato que tive com o presidente Donald Trump nasceu, em nós, um sentimento de cooperação [...]. Cada vez mais o Brasil e EUA retomam a amizade que nasceu em 1822”, destacou o presidente da República em discurso de agradecimento à comitiva americana, tecendo, ainda, calorosos agradecimentos ao presidente norte-americano.

Já O’Brien exaltou a união entre Brasil e EUA — “duas das maiores democracias e economias do mundo” — e, assim como Bolsonaro, fez menção “à longa história e ao respeito mútuo em parcerias, que começou em 1822, quando os Estados Unidos se tornaram a primeira nação a reconhecer a independência brasileira". “Hoje, nossas nações estão mais unidas do que nunca. Não acredito que já tivemos uma melhor relação entre Brasil e Estados Unidos como a que temos agora”, frisou.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade