UAI
Publicidade

Estado de Minas EM REDE NACIONAL

Bolsonaro fala em democracia, mas defende Golpe de 64 em pronunciamento do Dia da Independência

Presidente disse que ''milhões de brasileiros'' foram às ruas na década de 1960 contra a ''sombra do comunismo''


07/09/2020 20:59 - atualizado 07/09/2020 21:18

Presidente falou em rede nacional sobre o Dia da Independência nesta segunda-feira (7)(foto: Reprodução/Twitter)
Presidente falou em rede nacional sobre o Dia da Independência nesta segunda-feira (7) (foto: Reprodução/Twitter)

 

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se pronunciou na noite desta segunda-feira (7) sobre o aniversário de 198 anos da Independência do Brasil. Em rede nacional, o chefe do Executivo nacional, apesar de afirmar que “sangue dos brasileiros sempre foi derramado por liberdade”, votou a defender o Golpe Militar de 1964, responsável por instaurar a ditadura no país.

 

 

 

"Nos anos 60, quando a sombra do comunismo nos ameaçou, milhões de brasileiros, identificados com os anseios nacionais de preservação das instituições democráticas, foram às ruas contra um país tomado pela radicalização ideológica, greves, desordem social e corrupção generalizada", disse Bolsonaro.

 

O pronunciamento durou pouco mais de três minutos. Nele, Bolsonaro também ressaltou que em 1822 “o Brasil dizia ao mundo que nunca mais aceitaria ser submisso”.

 

O presidente ainda falou sobre a miscigenação entre brancos, pretos e índios, além das “ondas de imigrantes” que vieram ao país.

 

Jair Bolsonaro lembrou do apoio dado pelo Exército na Segunda Guerra Mundial. "A Força Expedicionária Brasileira foi à Europa para ajudar o mundo a derrotar o nazismo e o fascismo", disse, na gravação.

 

O presidente falou em "amor à pátria", liberdade e respeito à Constituição Federal.

 

Panelaço

Durante pronunciamento em rede nacional pelo feriado de 7 de setembro, moradores de Belo Horizonte pediram a saída de Bolsonaro.

 

A manifestação contrária ao governo foi registrada em bairros da Região Centro-Sul e Leste de BH. A reportagem do Estado de Minas recebeu relatos e imagens de protesto no Centro da cidade e nos bairros Barro Preto e Santa Tereza.

 

Muitos moradores gritavam “Fora Bolsonaro”. Junto ao barulho das panelas, outros belo-horizontinos desabafaram dizeres como “fascista”, “corrupto” e “investigado”.

 

O mesmo se repetiu em outras partes do Brasil, durante o pronunciamento do presidente.

 

No Rio de Janeiro, houve manifestação contrária a Bolsonaro nos bairros de Copacabana, Laranjeiras, Catete, Cosme Velho, Flamengo, Botafogo e Jardim Botânico, na Zona Sul, e no Grajaú, na Zona Norte.

 

Na Barra da Tijuca (Zona Oeste) e em Copacabana também houve gritos de "fora, Bolsonaro" e "assassino". 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade