Publicidade

Estado de Minas PROTESTOS

Bolsonaro tenta fazer paralelo entre racismo no Brasil e nos EUA

Para o presidente, questão racial nos Estados Unidos "está na mais pele", sem se aprofundar muito sobre o assunto


postado em 03/06/2020 15:16 / atualizado em 03/06/2020 15:32

BOlsonaro:
BOlsonaro: "Vendo a cena, a gente lamenta. Como é que pode aquilo ter acontecido? Agora, o povo americano tem que entender que, quando se erra, se paga" (foto: Isac Nóbrega/PR)
 

O presidente Jair Bolsonaro comentou sobre as manifestações que vêm ocorrendo nos Estados Unidos após um policial branco ter matado sufocado um homem negro. O chefe do Executivo disse que no país americano o racismo ocorre de modo diferente e que “está mais na pele”. No entanto, Bolsonaro não se aprofundou na explicação.

 

"Estados Unidos: lá o racismo é um pouco diferente do Brasil. Está mais na pele. Então, houve um negro lá que perdeu a vida. Vendo a cena, a gente lamenta. Como é que pode aquilo ter acontecido? Agora, o povo americano tem que entender que, quando se erra, se paga. Agora, o que está se fazendo lá é uma coisa que não gostaria que acontecesse no Brasil. Logicamente que qualquer abuso você tem que investigar e, se for o caso, punir. Agora, este tipo de movimento, nós não concordamos", declarou, na noite dessa terça-feira (2/6), na entrada do Palácio da Alvorada.

 

George Floyd foi morto no último dia 26 por um policial branco, na cidade de Minneapolis, no estado de Minnesota. O policial americano Derek Chauvin que aparece em um vídeo ajoelhando sobre o pescoço de George Floyd foi preso três dias depois. No vídeo, o policial mantém Floyd nessa posição por ao menos cinco minutos, enquanto ele grita: "Não consigo respirar!" antes de morrer.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade