Publicidade

Estado de Minas VAZAMENTOS

Bolsonaros, Weintraub e deputado: após vazamento de dados, internautas fazem filiações ao PT

Informações sigilosas foram divulgadas nessa segunda-feira pelo perfil Anonymous Brasil


postado em 02/06/2020 08:38 / atualizado em 02/06/2020 09:04

Jair, Eduardo e Carlos tiveram nomes 'filiados' ao Partido dos Trabalhadores (PT)(foto: TSE)
Jair, Eduardo e Carlos tiveram nomes 'filiados' ao Partido dos Trabalhadores (PT) (foto: TSE)
Com o vazamento de dados do presidente Jair Bolsonaro, dos filhos, de ministros e apoiadores do governo na noite dessa segunda-feira, internautas acabaram fazendo ‘filiações’ em massa ao Partido dos Trabalhadores (PT). Na manhã desta terça, era possível ver diversos nomes aguardando resposta da legenda quanto à aprovação.

Por meio do sistema de filiações do PT, foi possível ver alguns nomes inscritos pelos internautas após o vazamento de dados pelo perfil Anonymous Brasil. Diversas pessoas relataram, por meio de redes sociais, que Jair Bolsonaro já estava ‘filiado’ ao partido minutos após a divulgação dos dados. Um pou-up era aberto quando a pessoa tentava finalizar o cadastro, alertando que o CPF de Bolsonaro já estava ligado à uma filiação.

Os filhos do presidente também não escaparam da ‘zoeira’ provocada pela internet. De acordo com o sistema do PT, os nomes do vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro, além do deputado federal Eduardo Bolsonaro estão sob análise, após a abertura dos pedidos.

Também é possível ver uma filiação aberta no nome do ministro da Educação, Abraham Weintraub. Ele foi um dos chefes de pasta do governo a ter dados vazados, assim como a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves. A reportagem, no entanto, não conseguiu localizar nenhum pedido de filiação em nome de Damares.

Ferrenho apoiador do governo Bolsonaro, o deputado estadual de São Paulo, Douglas Garcia, também teve seu nome ligado ao Partido dos Trabalhadores. Assim como os Bolsonaros e Weintraub, o pedido de filiação aguarda resposta da legenda. Garcia, inclusive, se posicionou minutos depois do vazamento de dados, garantindo que faria um boletim de ocorrência. Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan, não escapou da exposição de dados, mas a reportagem não localizou abertura de filiação no nome dele.

Todos os nomes citados tiveram dados sensíveis divulgados. As informações sigilosas incluem salário, endereço, nota de avaliação de entidades de crédito, bens, dívidas registradas, capacidade de pagamento de contas, entre outros.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade