Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Após falar em 'ruptura', Eduardo Bolsonaro é denunciado ao Conselho de Ética

A Rede Sustentabilidade, o PT, o PSOL e o PDT protocolaram o pedido nessa quinta-feira (28)


postado em 29/05/2020 15:28 / atualizado em 29/05/2020 16:09

Eduardo Bolsonaro, deputado federal (PSL-SP)(foto: Marcos Correa/PR)
Eduardo Bolsonaro, deputado federal (PSL-SP) (foto: Marcos Correa/PR)
O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) se tornou alvo de mais uma representação por quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética da Câmara.

A Rede Sustentabilidade, o Partido dos Trabalhadores (PT), o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) e o Partido Democrático Trabalhista (PDT) protocolaram o pedido na quinta-feira (28).

A ofensiva da oposição veio após declarações de Eduardo em uma transmissão ao vivo ao lado de apoiadores bolsonaristas investigados no inquérito das fake news. O parlamentar afirmou não ter dúvida de que será alvo de uma investigação em breve e disse que participa de reuniões em que se discute "quando" acontecerá "momento de ruptura" no Brasil.

"Não tenho nem dúvida que amanhã vai ser na minha casa [que cumprirão mandado de busca], que se nós tivermos uma posição colaborativa, vão entrar na nossa casa, dando risada. Até entendo quem tem uma postura moderada, vamos dizer, para não tentar chegar a momento de ruptura, a momento de cisão ainda maior, conflito ainda maior. Entendo essa pessoas que querem evitar esse momento de caos. Mas falando bem abertamente, opinião de Eduardo Bolsonaro, não é mais uma opção de se, mas, sim, de quando isso vai ocorrer", afirmou o parlamentar, que emendou:

"E não se enganem, as pessoas discutem isso. Essas reuniões entre altas autoridades, até a própria reunião de dentro de setores políticos, eu, Bia, etc, a gente discute esse tipo de coisa porque a gente estuda história. A gente sabe que a história vai apenas se repetindo. Não foi de uma hora para outra que começou a ditadura na Venezuela, foi aos poucos."

O deputado disse ainda que "quando chegar ao ponto que o presidente não tiver mais saída e for necessário uma medida enérgica ele é que será tachado como ditador".

A live foi transmitida pelo canal de YouTube do blog Terça Livre, de Allan dos Santos, um dos alvos da operação da última quarta-feira contra empresários, políticos e apoiadores de Bolsonaro investigados por divulgar notícias falsas e ameaças contra autoridades da República, como ministros do Supremo e seus familiares. Além de Santos, a deputada Bia Kicis (PSL-SP), outra investigada pelo inquérito das fakes news, também participou da transmissão, ao lado de Olavo de Carvalho, guru do bolsonarismo, e do médico Ítalo Marsili.

Para a oposição, Eduardo Bolsonaro atentou "contra o Estado Democrático de Direito" e demonstrou que "há, em curso, uma articulação orientada pelo Representado e por aliados do Presidente da República, na tentativa de deflagrar uma ruptura institucional, com graves consequências para a democracia brasileira".

Eduardo Bolsonaro já responde a processo no Conselho de Ética por afirmar que "se a esquerda brasileira radicalizar", uma resposta pode ser "via um novo AI-5".

Em julho de 2018, antes do primeiro turno das eleições que deram a vitória a Jair Bolsonaro, o filho caçula do então presidenciável Jair Bolsonaro, disse que, para fechar STF, bastava "um soldado e um cabo". A declaração se referia à possibilidade do pai ser impedido de assumir o Planalto caso fosse eleito ainda na primeira fase da corrida presidencial.

Nos úl­ti­mos di­as, o go­ver­no tem so­fri­do uma su­ces­são de der­ro­tas no Su­pre­mo, a mai­o­ria de­las por de­ci­sões in­di­vi­du­ais dos mi­nis­tros Cel­so de Mello e Ale­xan­dre de Mo­ra­es. O es­to­pim pa­ra a no­va crise ocor­reu, no en­tan­to, após a ação operação de­ter­mi­na­da por Mo­ra­es, rela­tor do inqué­ri­to das fa­ke news. Na ação de anteontem, a PF apre­en­deu documentos, com­pu­ta­do­res e celulares em endereços de apoi­a­do­res do pre­si­den­te. Desde então, aumentam as investidas contra o STF dirigidas pelo próprio presidente e por seus apoiadores.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade