Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Em BH, carreata bolsonarista hostiliza imprensa e ataca Congresso, STF, Moro e Kalil

Manifestantes circularam em veículos nas Regiões Centro-Sul e Central da capital mineira


postado em 26/04/2020 17:16 / atualizado em 26/04/2020 20:10

(foto: Túlio Santos/EM/D.A Press )
(foto: Túlio Santos/EM/D.A Press )
Manifestantes a favor de Jair Bolsonaro (sem partido) saíram às ruas na tarde deste domingo, em Belo Horizonte, para apoiar o presidente da República. O movimento, que rodou pelas regiões Oeste, Centro-Sul e Central da cidade, atacou o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF), além de não poupar críticas ao ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, e ao prefeito da capital mineira, Alexandre Kalil (PSD).

Ver galeria . 16 Fotos Fotos da manifestação pró-Bolsonaro, neste domingo, em Belo Horizonte. Participantes atacaram ex-ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro; presidente da Câmara, Rodrigo Maia; presidente do Senado, Davi Alcolumbre; e prefeito de Belo Horizonte, Alexandre KalilTúlio Santos/EM/D. A Press
Fotos da manifestação pró-Bolsonaro, neste domingo, em Belo Horizonte. Participantes atacaram ex-ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro; presidente da Câmara, Rodrigo Maia; presidente do Senado, Davi Alcolumbre; e prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (foto: Túlio Santos/EM/D. A Press )


 O ato pedia ainda uma intervenção militar. Os manifestantes hostilizaram os jornalistas que faziam a cobertura do movimento.


Na concentração, em frente ao 4º Pelotão do Exército Brasileiro, no Bairro Gutierrez, as reportagens do Estado de Minas e de O Tempo foram cercadas por manifestantes. A imprensa foi alvo de xingamentos e acusações por cerca de 20 integrantes, que pediam a saída dos jornalistas do local. A Polícia Militar estava presente e interferiu na situação.

No ato, os participantes levavam cartazes com dizeres como "fora, Maia, comunista", em referência ao presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia (DEM-RJ), e com ataques ao Senado Federal e ao STF. Além disso, gritavam "fecha o Congresso", "Moro traidor" e "sou Bolsonaro" e cantavam o Hino Nacional e orações cristãs.

Centro do debate político nos últimos dias, Moro foi um dos alvos da carreata “bolsonarista" por ter pedido demissão do Ministério da Justiça e da Segurança Pública na última sexta-feira. O ex-juiz acusou Bolsonaro de tentar interferir politicamente na Polícia Federal.

Sergio Moro, antes idolatrado pela ala governista e agora tido como "traidor", era considerado um dos pilares do Governo Federal. Bolsonaro deve escolher Jorge Oliveira, então ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, como novo ministro da Justiça.

O artista plástico Júlio Hubner, de 49 anos, esteve no ato e falou sobre a manifestação. "Ninguém esperava a saída de Moro nesse momento. O movimento queria enfraquecer o presidente e estamos aqui para fortalecê-lo", disse ao Estado de Minas.

Já as críticas a Kalil referem-se à forma como o prefeito encara a crise causada pela pandemia do novo coronavírus. Os manifestantes pedem o fim do chamado isolamento social horizontal e a retomada das atividades comerciais, o que ainda não tem data para acontecer. "Deixa BH trabalhar", dizia um cartaz.

BH está desde 17 de março com o comércio limitado a serviços essenciais, únicos que funcionam integralmente. No trajeto feito pela carreata, os manifestantes passaram em frente à sede da prefeitura, quando o “buzinaço” foi intensificado, seguido de gritos contra o prefeito.

A maior parte dos manifestantes vestia camisas da Seleção Brasileira de futebol e desfilava com a bandeira do Brasil amarrada nos carros, com as cores verde e amarelo em evidência. Grande parte também estava com máscaras de proteção, equipamento obrigatório em BH em meio à pandemia.

O movimento também foi rechaçado por outras pessoas. Alguns pedestres debatiam com os manifestantes, enquanto moradores batiam panelas das janelas de prédios.

 

No inícioda noite, os manifestantes promovem novo "buzinaço" próximo à residência de Kalil, na Praça Marília de Dirceu, no Bairro Lourdes. A Polícia Militar contabiliza que cerca de 200 carros fizeram parte do ato. 

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade