Publicidade

Estado de Minas

Gilberto Gil cita 'Aqui e agora' para comentar demissão de Alvim

Ex-ministro da Cultura de Lula afirma que é ''grande'' o ''tranco da dificuldade do mundo'' e recebe o apoio dos fãs. Compositor critica a censura e diz que discursos do ódio refletem ''o velho ato obscurantista''


postado em 17/01/2020 17:02

Gilberto Gil foi ministro da Cultura entre 2003 e 2008, durante o governo Lula(foto: Wikipedia Commons / Reprodução)
Gilberto Gil foi ministro da Cultura entre 2003 e 2008, durante o governo Lula (foto: Wikipedia Commons / Reprodução)
O cantor e compositor Gilberto Gil citou sua canção 'Aqui e agora' para comentar de forma indireta, no Twitter, a demissão de Roberto Alvim da Secretaria Especial da Cultura. 'Onde quer que a gente esteja, o melhor lugar do mundo é onde você está; e agora, o tempo de hoje. Essa meditação necessária que todos os seres precisam fazer pra aguentar o tranco da dificuldade do mundo, que é muito grande. Gerir a existência nesse mundo é uma coisa complicada', postou Gil.


Duas horas depois, ele voltou ao Twitter para afirmar que os discursos do ódio, fake news e 'todas essas formas novas de obstar e confundir as narrativas são só as formas mais recentes e mais complexas do velho ato obscurantista'. Gil apontou a repetição de 'modos convencionais da censura' em fatos como a 'interdição de livros, filmes, peças de teatro, discursos, posicionamentos e tantas outras coisas'.

 

A declaração gerou reações de fãs. 'Nesses momentos difíceis ter alguém como você nos inspirando a prosseguir em frente é um privilégio tão grande. Obrigado por nos dar um acalanto. Muita saúde pra ti', comentou o usuário @lu_nando_alves_. @marcoshemilio afirmou: 'Que bom, no meio de tantas notícias das redes sociais, me deparo com isso aqui!!! Sextouuu'. @NUCOOLX frisou: 'Mas o que fazer com o cotidiano desencantado?'.

 

Gilberto Gil foi ministro de Cultura do governo Lula de 2003 a 2008. Em novembro, ele e outros ex-ocupantes da pasta se reuniram, no Rio de Janeiro, para questionar a gestão do setor cultural pelo governo Jair Bolsonaro.

 

* Estagiário sob supervisão da editora-assistente Ângela Faria


Publicidade