Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Jair Bolsonaro confirma exoneração de Roberto Alvim

Causa da demissão foi um vídeo publicado no perfil oficial da secretária de Cultura, em que Alvim cita trechos de um discurso do nazista Joseph Goebbels


postado em 17/01/2020 13:47 / atualizado em 17/01/2020 13:55

Secretário assumiu o posto em novembro de 2019(foto: Reprodução/Facebook)
Secretário assumiu o posto em novembro de 2019 (foto: Reprodução/Facebook)
O presidente Jair Bolsonaro confirmou, no início da tarde desta sexta-feira, a demissão de Roberto Alvim, até então secretário de Cultura do governo. No comunicado divulgado em redes sociais, o chefe do Executivo classificou o episódio como um "pronunciamento infeliz" que tornou "insustentável" a permanência de Alvim.

A exoneração já era esperada, de acordo com interlocutores próximos ao grupo político do Executivo. Fontes no Planalto, além da cúpula militar, consideravam como certa a saída do secretário de Cultura.

A causa da demissão foi um vídeo publicado no perfil oficial da secretária de Cultura, no Twitter, na noite de quinta-feira. No discurso, Alvim usou trechos de uma fala de Joseph Goebbels, ministro da propaganda de Adolf Hitler. Internautas perceberam, também, que a música de fundo escolhida para a publicação de Alvim é a ópera Lohengrin, de Richard Wagner, obra considerada pelo próprio Hitler como decisiva em sua vida.

Na nota, o presidente Jair Bolsonaro também dedicou espaço para repudiar "ideologias totalitárias e genocidas". O político manifestou "total e irrestrito apoio à comunidade judaica".

Confira a nota na íntegra:


"- Comunico o desligamento de Roberto Alvim da Secretaria de Cultura do Governo. Um pronunciamento infeliz, ainda que tenha se desculpado, tornou insustentável a sua permanência.

-  Reitero nosso repúdio às ideologias totalitárias e genocidas, bem como qualquer tipo de ilação às mesmas.

- Manifestamos também nosso total e irrestrito apoio à comunidade judaica, da qual somos amigos e compartilhamos valores em comum.

Presidente Jair Bolsonaro". 


Publicidade