Publicidade

Estado de Minas

Maia, Olavo e Alcolumbre condenam fala de secretário de Cultura

Vídeo em que Roberto Alvim anuncia o Prêmio Nacional das Artes e cita trechos do ideólogo nazista Joseh Goebbels repercutiu negativamente na classe política


postado em 17/01/2020 09:46 / atualizado em 17/01/2020 13:02

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia e o escritor Olavo de Carvalho, criticaram a fala de Roberto Alvim (foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil/ Divulgação)
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia e o escritor Olavo de Carvalho, criticaram a fala de Roberto Alvim (foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil/ Divulgação)

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), usou o Twitter na manhã desta sexta-feira para pedir o afastamento "urgente" do secretário especial da Cultura do governo federal, Roberto Alvim. "O secretário da Cultura passou de todos os limites. É inaceitável. O governo brasileiro deveria afastá-lo urgente do cargo", escreveu Maia na rede social. 



Em vídeo compartilhado nesta quinta-feira, 16, Alvin faz referência a trechos do ministro de Propaganda nazista, Joseph Goebbels, em que diz que "a arte será nacional" ou "então não será nada" ao som de um trecho da ópera Lohengrin de Wagner. A ópera é elogiada na autobiografia do ditador nazista Adolf Hitler, Minha Luta. "Senti-me imediatamente cativado pela música", escreveu o alemão.
O vídeo do secretário gerou uma onda de críticas e levou o nome de Goebbels a ser um dos mais citados no Twitter. Às 10h, "Goebbels" aparecia em terceiro lugar dos assuntos mais comentados, "Roberto Alvim" em quinto, "Nazista" em oitavo, "Cultura" em nono e "Wagner" em décimo. As ocorrências ficavam abaixo de "Enem" e "BlackSwan", trilha musical de grupo sul-coreano.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), também manifestou repúdio às declarações do secretário. "Como primeiro presidente judeu do Congresso Nacional, manifesto veementemente meu total repúdio a essa atitude e peço seu afastamento imediato do cargo", afirmou Alcolumbre em nota.

O escritor Olavo de Carvalho, apontado como guru do governo Jair Bolsonaro, disse que Alvim "não está muito bem". "É cedo para julgar, mas o Roberto Alvim talvez não esteja muito bem da cabeça. Veremos", escreveu Carvalho em uma publicação no Facebook.



O deputado federal Marcel van Hattem, líder do Novo, também criticou, pelo Twitter, o vídeo. "Fala de Roberto Alvim é absurda, nauseante: o Estado não define o que é e o que não é cultura! Já um governo define quem dele faz e quem dele não faz parte. Quem recita Goebbels e faz pronunciamento totalitário não pode servir a governo nenhum no Brasil e deve ser demitido. Já!", escreveu.



Em nota, a Conib (Confederação Israelita do Brasil) repudiou o vídeo. Leia na íntegra:

A Conib (Confederação Israelita do Brasil) considera inaceitável o uso de discurso nazista pelo secretário da Cultura do governo Bolsonaro, Roberto Alvim. Emular a visão do ministro da Propaganda nazista de Hitler, Joseph Goebbels, é um sinal assustador da sua visão de cultura, que deve ser combatida e contida. Goebbels foi um dos principais líderes do regime nazista, que empregou a propaganda e a cultura para deturpar corações e mentes dos alemães e dos aliados nazistas a ponto de cometerem o Holocausto, o extermínio de 6 milhões de judeus na Europa, entre tantas outras vítimas. O Brasil, que enviou bravos soldados para combater o nazismo em solo europeu, não merece isso. Uma pessoa com esse pensamento não pode comandar a cultura do nosso país e deve ser afastada do cargo imediatamente.
 
(Com Estadão Conteúdo)


Publicidade