Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Justiça solta ex-deputados estaduais do Rio de Janeiro por engano

O TRF-2 informou que emitirá um novo documento para reparar o erro. E confirmou que Mello e Albertassi devem retornar à prisão


postado em 13/12/2019 20:50 / atualizado em 13/12/2019 21:09

Paulo Melo, ex-deputado e ex-presidente da Alerj (foto: Fernando Frazão/Arquivo/Agência Brasil)
Paulo Melo, ex-deputado e ex-presidente da Alerj (foto: Fernando Frazão/Arquivo/Agência Brasil)
Por um erro burocrático do Tribunal Regional Federal da 2ª região (TRF-2), os ex-deputados Paulo Mello e Edson Albertassi terão que voltar à prisão. Os dois foram soltos na tarde desta sexta-feira, 13, por causa de um habeas corpus concedido na última quarta-feira, referente à Operação Furna da Onça, um desdobramento da Lava Jato no Rio.

Mello e Albertassi, no entanto, também cumprem prisão preventiva por outra operação ligada à Lava Jato, a Cadeia Velha. O TRF-2 confirmou no fim da tarde que, ao emitir o alvará da decisão de soltura da Furna da Onça, incluiu também, de forma indevida, o número do processo da Cadeia Velha, como se a decisão se estendesse automaticamente ao outro processo.

O TRF-2 informou que emitirá um novo documento para reparar o erro. E confirmou que Mello e Albertassi devem retornar à prisão.

O ex-presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) Jorge Picciani também cumpre prisão preventiva pelas duas operações, mas está em prisão domiciliar.


Publicidade