Publicidade

Estado de Minas MORTE DE INDíGENAS

Greta Thunberg 'adota' o 'pirralha'

Ativista sueca reage à definição dada a ela pelo presidente Bolsonaro e passa a usar o nome no seu perfil no Twitter


postado em 11/12/2019 04:00 / atualizado em 11/12/2019 07:25

Menina sueca fala sobre mudanças climáticas: polêmica envolvendo líder brasileiro e outros presidentes (foto: Cristina Quicler/AFP)
Menina sueca fala sobre mudanças climáticas: polêmica envolvendo líder brasileiro e outros presidentes (foto: Cristina Quicler/AFP)

A ativista sueca Greta Thunberg atualizou a definição de seu perfil no Twitter para “pirralha” ontem, após o presidente Jair Bolsonaro a ter chamado desta forma. Pela manhã, o presidente foi questionado sobre as mortes de dois indígenas no Maranhão em um ataque a tiros, e citou a ativista que criticou o silêncio dos países sobre o assunto. “Qual o nome daquela menina lá, lá de fora? Tabata, como é? Greta. Já falou que índios estão morrendo porque estão defendendo a Amazônia. Impressionante a imprensa dar espaço para uma pirralha dessa aí, uma pirralha”, respondeu.

''Os povos indígenas estão sendo literalmente assassinados por tentar proteger as florestas do desmatamento'''

Greta Thunberg, ativista sueca


No domingo, um dia após dois indígenas terem sido assassinados no Maranhão, Greta usou a rede social, onde tem 3,1 milhões de seguidores, para se pronunciar. “Os povos indígenas estão sendo literalmente assassinados por tentar proteger as florestas do desmatamento. Repetidamente. É vergonhoso que o mundo permaneça calado sobre isso”, escreveu Greta, que compartilhou uma notícia da Al Jazeera reportando o atentado.

Bolsonaro afirmou que “qualquer morte” preocupa o governo. E que é contra crimes ambientais. “Preocupa. Qualquer morte preocupa. Temos de cumprir a lei. Somos contra desmatamento ilegal, somos contra queimada ilegal. Tudo o que for contra a lei, somos contra”, afirmou Bolsonaro.

Greta já alterou seu perfil em outras ocasiões, quando foi ironizada pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e criticada pelo presidente da Rússia, Vladimir Putin. Greta Thunberg iniciou em agosto de 2018 um movimento que passou a inspirar jovens ao redor do mundo quando começou a faltar às aulas nas sextas-feiras, o Fridays for Future, para pedir ações mais efetivas do governo sueco contra as mudanças climáticas.

Em setembro deste ano, às vésperas da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas, a greve do clima atraiu milhões de pessoas em 135 países. Em Nova York, com a liderança de Greta, foram cerca de 250 mil pessoas. Foi também na ONU que proferiu seu discurso mais contundente até então, quando disse que os jovens não perdoariam os líderes mundiais se eles falhassem com essa geração.

''Impressionante a imprensa dar espaço para uma pirralha dessa aí, uma pirralha''

Jair Bolsonaro, presidente


Porta-voz O porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, comentou ontem a declaração de Bolsonaro. Para o porta-voz, contudo, a fala do presidente não foi inadequada. “Sob ponto de vista gramatical, presidente não foi inadequado ou descortês com Greta”, disse. Ele justificou fazendo referência à definição gramatical da palavra. “Onde que o presidente foi inadequado ou descortês com Greta? Ela é uma pirralha: é uma pessoa de pequena estatura e é uma criança”, declarou.

Ainda de acordo com o porta-voz, a agenda do presidente Bolsonaro em Salvador, na Bahia, prevista para amanhã, foi cancelada. A presença do presidente era prevista para cerimônia de entrega de parte das obras de reforma do aeroporto da cidade, mas houve um “ajuste de agenda”.
 
 







Publicidade