Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Frota diz à CPI que assessores ligados à Presidência comandam 'milícias digitais'

Deputado é o primeiro dos ex-aliados do presidente Jair Bolsonaro a depor na comissão criada para investigar a disseminação de notícias falsas nas eleições de 2018


postado em 30/10/2019 18:35 / atualizado em 30/10/2019 19:50

(foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)
(foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)

Em depoimento à CPI das Fake News, o deputado Alexandre Frota (PSDB-SP) afirmou que assessores ligados à Presidência da República comandam "milícias digitais" e controlam "perfis falsos em excesso". A passagem do tucano na comissão foi tumultuada e marcada por discussões entre ele e deputados do PSL, seu antigo partido. "O Planalto virou o porto seguro de terroristas digitais", afirmou Frota.

Frota é o primeiro dos ex-aliados do presidente Jair Bolsonaro a depor na comissão criada para investigar a disseminação de notícias falsas nas eleições de 2018. De acordo com o deputado do PSDB, os filhos do presidente controlam uma rede usada para atacar adversários do presidente.

Questionado pela relatora da CPI, a deputada Lídice da Mata (PSB-SP), o deputado citou os nomes dos assessores especiais da Presidência Tercio Arnaud Tomaz, José Matheus Salles Gomes e Mateus Matos Diniz, como sendo integrantes do chamado "gabinete do ódio". O grupo é próximo ao presidente e atua nas redes sociais da Presidência. Os três também irão depor na CPI em data ainda não definida.

"Vossa excelência confirma a existência de um grupo de trabalho no governo federal, no gabinete da Presidência da República, a formação de um grupo de trabalho com o objetivo de disseminar o ódio, por tanto, recebendo recursos públicos salariais para este fim?", questionou a relatora.

"Confirmo. É um gabinete onde três pessoas trabalham ou até um pouco mais", afirmou Frota.

De acordo com Frota, a atuação da "milícia digital" está sob o comando do filho do presidente Carlos Bolsonaro, vereador pelo PSC no Rio. O deputado disse que presenciou mais de um momento em que o vereador fala com o pai sobre a atuação nas redes sociais.

"Presenciei Carlos discutindo o impulsionamento de postagens com Bolsonaro", afirmou Frota.

Queiroz

O deputado Alexandre Frota disse ainda que o próprio presidente Jair Bolsonaro pediu a ele que não falasse sobre as investigações envolvendo Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho mais velho do presidente.

De acordo com relato do parlamentar tucano, Bolsonaro pegou ele pelo braço em uma reunião no Planalto e disse "cala essa matraca, p...!", em referência a discursos feitos por ele no Plenário da Câmara.

Ataques

O deputado Eduardo Bolsonaro (SP), filho do presidente Jair Bolsonaro e líder do PSL na Câmara, foi para o confronto e chamou Frota de "traíra" e "falso". "O senhor era menos promíscuo quando fazia filme pornô, né?", ironizou o líder do PSL fazendo referência à atuação de Frota do segmento do entretenimento adulto. "E você assistiu muito", rebateu Frota.


Publicidade