Publicidade

Estado de Minas

Em BH, esquerda e ativistas pedem: 'Parem Bolsonaro, salvem a Amazônia'

O protesto contra as políticas do governo Bolsonaro foi feito na Praça do Papa e também teve cartazes de Lula Livre


postado em 25/08/2019 14:52 / atualizado em 25/08/2019 15:58

Os manifestantes de esquerda se concentraram na área verde da Praça do Papa(foto: Paulo Filgueiras / EM / D.A. Press)
Os manifestantes de esquerda se concentraram na área verde da Praça do Papa (foto: Paulo Filgueiras / EM / D.A. Press)

A área verde da Praça do Papa foi ocupada na manhã deste domingo (25) por grupos de esquerda, ativistas ambientais em defesa da Amazônia e contra as políticas para o setor do presidente Jair Bolsonaro (PSL). O protesto foi convocado por causa do aumento do desmatamento e das queimadas, que ganharam repercussão internacional nos últimos dias.

O mote do ato, que atraiu também partidos políticos, foi “Parem Bolsonaro, salvem a Amazônia”. 

Desde as 10h, pessoas com faixas e cartazes contra Bolsonaro e a favor da Amazônia começaram a se concentrar no alto da Avenida Afonso Pena, no Mangabeiras. “Sem floresta não tem chuva, não tem comida, não tem vida”, dizia um dos cartazes. Outro deles dizia que Bolsonaro mata a Amazônia e que o plano diretor de Contagem pode secar a Pampulha.

(foto: Paulo Filgueiras / EM / D.A. Press)
(foto: Paulo Filgueiras / EM / D.A. Press)


Em meio aos motes que se misturaram na praça também havia pedidos de “fora Bolsonaro e todos os golpistas” e fotos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) estampadas em camisas e cartazes do grupo que defende “Lula livre”.

Contra Bolsonaro e por Lula


O ator e diretor Munish, coordenador do coletivo Alvorada, que puxou a manifestação, disse que é preciso fazer algo para que não se destrua a Amazônia. De acordo com ele, outros grupos, como o dos Atingidos por Barragens (MAB), partidos e organizações não governamentais se juntaram ao protesto.

“A Amazônia simboliza a soberania nacional, é isso que está em risco. O salve a Amazônia é o salve o Brasil”, disse. Sobre a inclusão do Lula livre no protesto, Munish afirmou ser por querer fazer justiça ao ex-presidente preso, que, para ele, traz a ideia de um país soberano e inclusivo.

Entre as pautas, os grupos se posicionaram contra o desmonte da política ambiental do governo. A professora Leila Louback, 54 anos, do grupo Guayi de agroecologia, disse que o mundo é uma coisa única e que a pauta ambiental brasileira é uma questão de sobrevivência. “Menos fiscalização traz consequências. A Amazônia tem que ser vista mais que como um patrimônio, mas como uma questão e clima, não cuidar da biodiversidade é um crime”, disse.

(foto: Paulo Filgueiras / EM / D.A. Press)
(foto: Paulo Filgueiras / EM / D.A. Press)


O servidor público Gabriel Corrêa Pereira, 35, que foi à praça com a namorada e também servidora Débora Freitas de Paula, 39, disse que mais que a polarização política, é importante que todos lutem pelo meio ambiente e contra o desmatamento.

Os dois foram ao protesto atendendo a um chamado nas redes sociais. “Os discursos do presidente estão incentivando os ruralistas, essa semana tivemos o dia do fogo em uma cidade”, afirmou Gabriel, ressaltando em seguida que a causa ambiental “é uma bandeira que deveria estar acima das divergências políticas porque afeta todo mundo”.

Um dos integrantes do coletivo Alvorada, Pedro Martins disse que o desmatamento e as queimadas ocorrem há muitos anos, “mas nunca com um presidente incentivando e jogando a culpa nas ongs”. Ele defendeu que as organizações acionem o presidente pela fala em que ele disse que as queimadas poderiam estar sendo feitas por “ongueiros” para prejudicar seu governo.


Publicidade