Publicidade

Estado de Minas

Deputado mineiro do PDT que apoiou Previdência lamenta ataques de caciques

Subtenente Gonzaga espera que diretório tenha serenidade para analisar a situação dos parlamentares que apoiaram a reforma da previdência


postado em 11/07/2019 14:57

(foto: Câmara dos Deputados/Divulgação)
(foto: Câmara dos Deputados/Divulgação)
Pela segunda vez em quatro anos o deputado Subtenente Gonzaga (PDT) ignorou a decisão de seu partido em votação no Plenário da Câmara


Na primeira vez, em 2016, ele apoiou o impeachment da então presidente Dilma Rousseff (PT) e, na noite de quarta-feira (10), foi favorável à aprovação da reforma da Previdência, contrariando novamente a orientação do PDT, que fechou questão contra as mudanças nas regras de aposentadoria.

O parlamentar lamentou ataques de lideranças do partido contra aqueles que apoiaram a proposta de reforma e cobrou serenidade para resolver a divergência interna.

“O partido fechou questão desde março contra a aprovação da Previdência, mas tivemos avanços no texto, alguns inclusive por sugestão do PDT. Então é preciso considerar esses avanços”, afirmou Gonzaga.

Após a votação, o presidente do PDT, Carlos Lupi, afirmou que a comissão de ética do partido vai abrir procedimento contra os oito deputados da legenda que votaram a favor da reforma, o que pode resultar em advertência, suspensão ou mesmo expulsão dos parlamentares. Lupi ressaltou que os deputados desrespeitaram uma determinação da convenção do PDT.

Além de Gonzaga, outros pedetistas que apoiaram a reforam foram os deputados Tabata Amaral, Alex Santana, Flávio Nogueira, Gil Cutrim, Jesus Sérgio, Marlon Santos e Silvia Cristina


Segundo Gonzaga, o diálogo com Lupi sempre foi muito bom dentro do partido, mas será preciso calma para analisar a questão. “Não votei a favor da Previdência por afronta ou insatisfação com o partido. E minha decisão não foi motivada por qualquer argumentação do governo. Também não estou na lista das emendas. Foi uma decisão minha. Vamos esperar com serenidade para ver qual será a decisão”, disse o deputado.

Em 2016, quando votou favorável ao impeachment de Dilma Rousseff – votação que o PDT também tinha fechado questão – o deputado Subtenente Gonzaga estava entre os seis que contrariaram o partido.

O diretório nacional da legenda decidiu expulsar o deputado Giovani Cherini, do Rio Grande do Sul, mas os outros cinco deputados receberam uma suspensão de 40 dias. A decisão mais dura para o deputado gaúcho se deu porque o diretório do PDT considerou que ele, além de votar a favor da derrubada de Dilma, fez campanha e atuou nos bastidores para convencer colegas a descumprirem a determinação do partido.

“Recebi a suspensão de 40 dias, que teve um efeito mais partidário e não influencia as prerrogativas do mandato parlamentar. Foi uma punição interna do partido. Outro tipo de punição que pode acontecer é a retirada de comissões. Mas tenho uma boa relação com o PDT. É um partido que garante bom espaço para meu trabalho e fazemos uma boa atuação. Espero que possamos atravessar esse momento”, diz Gonzaga.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade