Publicidade

Estado de Minas

Site contrapõe informação de que Deltan comemorou decisão contra Lula

De acordo com 'O Antagonista', em 16 de maio, quatro meses antes da decisão de Fux, de 28 de setembro, o Ministério Público Federal já havia se manifestado contra a entrevista do ex-presidente


postado em 09/07/2019 23:41 / atualizado em 10/07/2019 10:27

(foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
(foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
O site 'O Antagonista' publicou uma reportagem, na noite desta terça-feira (9), em que contrapõe a informação divulgada pelo 'The Intercept' de que o coordenador da força-tarefa da Lava-Jato, procurador Deltan Dallagnol, teria celebrado a decisão  do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, de cassar a liminar que dava permissão ao ex-presidente Lula de dar entrevista às vésperas do primeiro turno da eleição de 2018. 
 
De acordo com 'O Antagonista', em 16 de maio, quatro meses antes da decisão de Fux, de 28 de setembro, o Ministério Público Federal já havia se manifestado contra a entrevista do ex-presidente.
 
Portanto, de acordo com 'O Antagonista', em setembro Deltan informou aos colegas o deferimento, pelo STF, de um pedido que a força-tarefa já havia feito em primeira instância.
 
O primeiro áudio divulgado pelo site The Intercept e atribuído Deltan Dallagnol é: “Não vamos alardear isso aí, para evitar a divulgação enquanto for possível. Porque, quanto antes divulgar isso, vai ter recurso do outro lado, ou vai para plenário. O pessoal pediu para não comentar publicamente, deixar que a notícia surja por outros canais isso, pra evitar precipitar recursos de quem tem posição contrária à nossa”, afirmou no áudio.
 
Na sequência, ele emenda: “Mas a notícia é boa para terminar bem a semana, depois de tantas coisas ruins, e começar bem o final de semana”. 
 
De acordo com o site 'The Intercept', o áudio foi enviado aos colegas pelo procurador por meio do aplicativo de mensagens Telegram em 28 de setembro de 2018.
 
Em nota, a força-tarefa da Lava-Jato afirma que as mensagens não têm como ter a veracidade comprovada e que as supostas conversas têm sido retiradas de seus contextos. “As supostas mensagens atribuídas a integrantes da força-tarefa são oriundas de crime cibernético e não puderam ter seu contexto e veracidade verificados. Diversas dessas supostas mensagens têm sido usadas, editadas ou descontextualizadas, para embasar falsas acusações que contrastam com a realidade dos fatos”.  
 
Em pronunciamento postado em 10 de junho em sua conta no Twitter, Deltan Dallagnol, afirma que a Lava-Jato vem sendo vítima de ataques. Ele ainda reitera que o Ministério Público recorreu “por diversas vezes” contra decisões do então juiz Sérgio Moro. “Essas acusações não procedem e a origem delas está ligada ao ataque criminoso realizado”, afirmou na época.
 
 Ouça o aúdio publicado pelo The Intercept: 
 
 


Publicidade