Publicidade

Estado de Minas

Dallagnol será ouvido no Senado para explicar troca de mensagens com Moro

Argumento usado para o convite ao coordenador da força-tarefa da Lava-Jato é 'suposta e indevida coordenação de esforços'


postado em 18/06/2019 15:33 / atualizado em 18/06/2019 16:34

(foto: Fernando Frazão/Agência Brasil )
(foto: Fernando Frazão/Agência Brasil )

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado (CCJ) aprovou nesta terça-feira um requerimento de convite ao procurador federal Deltan Dallagnol para que ele preste esclarecimentos sobre as trocas de mensagens com o então juiz e atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, durante a Operação Lava-Jato.


O requerimento foi apresentado pelo senador Angelo Coronel (PSD-BA) para apurar a “suposta e indevida coordenação de esforços” na Operação Lava-Jato.


O pedido foi apresentado assim que foram divulgadas as conversas dos dois por aplicativo de mensagens, em reportagem da agência de notícias The Intercept.

Para Coronel, os envolvidos, por razões pessoais ou desconhecidas, parecem combinar entre si o andamento da Operação Lava-Jato, estratégias de abordagem de investigados e o melhor momento para o desencadeamento de fases.


De acordo com o senador, o teor da troca de mensagens indica desvirtuamento das funções do procurador. E indicam que o então juiz Moro extrapolou funções e desrespeitou deveres da magistratura. Moro, hoje ministro, foi o juiz responsável por julgar réus que foram alvo da operação, como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso.

Sergio Moro

Nesta quarta-feira, às 9h, a CCJ ouve Sergio Moro, que se colocou espontaneamente à disposição para se explicar.


Segundo a presidente do colegiado, senadora Simone Tebet (MDB-MS), a segurança na CCJ será reforçada. A senadora adiantou ainda que ministro terá 30 minutos para uma exposição inicial com direito a réplica e tréplica dos parlamentares.


 Com Agência Senado 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade