Publicidade

Estado de Minas

Adélio Bispo é absolvido pela Justiça por facada em Bolsonaro

Para juiz responsável pelo caso, o pedreiro não pode ser responsabilizado criminalmente porque sofre de 'transtorno delirante persistente'


postado em 14/06/2019 17:12 / atualizado em 14/06/2019 18:04

 

(foto: Reprodução/Internet)
(foto: Reprodução/Internet)

 A Justiça Federal absolveu nesta sexta-feira Adélio Bispo de Oliveira da acusação de ter dado uma facada no então candidato a presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), durante ato de campanha em Juiz de Fora, em setembro do ano passado. 


O juiz Bruno Savino, da 3ª vara da Justiça Federal, justificou a sentença no fato que o agressor sofre de transtorno delirante persistente, o que o torna inimputável pela legislação brasileira. O estado mental de Adélio foi certificado em pareceres médidos apresentados pela defesa e acusação.

“Por se tratar de réu inimputável, ao invés de uma sentença condenatória, o Código de Processo Penal impõe, nesta hipótese, a absolvição imprópria do réu e a imposição de medida de segurança de internação, a ser cumprida em manicômio judiciário ou outro estabelecimento adequado”, escreveu o magistrado.

Adélio Bispo está internado na Penitenciária Federal de Segurança Máxima de Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul. O magistrado determinou a fiscalização prisional e a renovação “de forma sucessiva e por prazo indeterminado” da permanência dele na prisão e que seja iniciado o tratamento psiquiátrico no local.

“O sistema prisional federal, além de possuir condições para prestar o necessário tratamento psiquiátrico, também minimiza o risco de fuga de Adélio Bispo de Oliveira, que declarou, durante o exame pericial, sua intenção de novamente atentar contra o atual presidente da República e também contra o ex-presidente Michel Temer”, diz nota da Justiça Federal.

O tratamento a que será submetido inclui uma reavaliação psiquiátrica a cada três anos. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade