Publicidade

Estado de Minas

Bolsonaro recorre à estratégia de campanha ao usar lives em redes sociais

Aliados elogiam a iniciativa e apostam que isso pode ajudar, também, na aprovação da reforma da Previdência


postado em 08/03/2019 07:04

Durante aniversário do Corpo de Fuzileiros Navais, Bolsonaro finalizou o discurso dizendo que só existem democracia e liberdade quando as Forças Armadas assim o querem (foto: Mauro Pimentel/AFP )
Durante aniversário do Corpo de Fuzileiros Navais, Bolsonaro finalizou o discurso dizendo que só existem democracia e liberdade quando as Forças Armadas assim o querem (foto: Mauro Pimentel/AFP )

Depois de movimentos arriscados e de declarações polêmicas nas últimas 72 horas, o presidente Jair Bolsonaro convocou dois generais — o porta-voz Otávio Rêgo Barros e o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno — para uma transmissão ao vivo nas redes sociais.

A tentativa era reduzir danos. A estratégia foi a solução encontrada pelos conselheiros militares para sustentar a credibilidade do governo, que recebeu críticas dos próprios aliados depois da publicação de um vídeo obsceno feita na conta pessoal do capitão reformado no Twitter na terça-feira. Uma declaração dada de Bolsonaro na manhã de ontem — de que só “existem democracia e liberdade quando as Forças Armadas assim o querem” —  levou o Palácio do Planalto à certeza em optar por uma ação rápida no início da noite de ontem.

Antes mesmo da declaração sobre as Forças Armadas, feita durante a cerimônia de aniversário do Corpo de Fuzileiros Navais, no Rio de Janeiro, os conselheiros militares de Bolsonaro haviam sugerido a produção de um vídeo.

O Planalto não esperava uma reação negativa sobre a frase do presidente. Sem fazer referência à publicação polêmica no Twitter, ele começou se defendendo, dizendo que governará ao lado das “pessoas de bem”. “Daquelas que amam a pátria, daqueles que respeitam a família, daqueles que querem aproximação com países que têm ideologia semelhante à nossa, daqueles que amam a democracia e a liberdade”, declarou.

A frase endossou a nota oficial publicada pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência, de que o vídeo é um crime contra os “valores familiares e as tradições culturais do carnaval”.

A declaração controversa dita na cerimônia veio depois, quando Bolsonaro finalizou o discurso: “(Só existem) democracia e liberdade quando as Forças Armadas assim o querem”, afirmou. Por causa do teor, a frase se transformou, em poucos minutos, em um dos assuntos mais comentados nas redes sociais, inclusive por oposicionistas e governistas.

O pronunciamento de Bolsonaro ecoou rápido no Planalto. A expectativa era de que, depois da publicação do vídeo obsceno no Twitter — que acabou tendo uma repercussão internacional e levantou críticas até de aliados —, Bolsonaro deixasse de lado qualquer chance de estimular uma nova controvérsia.

Assim, por mais que não admitissem, integrantes do Planalto se apressaram para explicar a frase. Foi o caso do vice-presidente Hamilton Mourão, que minimizou a fala como um “mal-entendido” e negou que o contexto seja ameaçador. Heleno também saiu em defesa. “Não tem nada de polêmico. No caso do Brasil, as Forças Armadas são o pilar da democracia e da liberdade”, rebateu.

Os regimes cubano e venezuelano foram usados por Heleno como exemplos de quando as Forças Armadas não querem liberdade e democracia. “Por que (Nicolás) Maduro é mantido (na Venezuela)? Porque as Forças Armadas estão segurando o presidente já praticamente deposto. Por que Fidel Castro durou o tempo que durou? Porque as Forças Armadas mantiveram a ditadura cubana. De acordo com a determinação das Forças Armadas, isso acaba sendo fator fundamental do regime político do país”, justificou.

Mesmo com o respaldo de Mourão e Heleno, a avaliação no Planalto ainda era de que o próprio presidente deveria se posicionar. E assim o fez. Bolsonaro promoveu a primeira “live” para se comunicar com a sociedade como presidente da República e se defendeu. “Devemos às Forças Armadas a nossa democracia e nossa liberdade. E assim é em todo lugar do mundo. E essa fala começou a levar para o lado das mais diversas interpretações possíveis”, minimizou.

Garoto-propaganda

A transmissão foi comemorada por governistas e líderes partidários dispostos a compor a base aliada. A transmissão ao vivo era um pedido dos aliados para construir uma estratégia de comunicação capaz de mobilizar apoio da população a fim de aprovar a reforma da Previdência. “É um início. Agora, é não parar”, ponderou o deputado Paulo Eduardo Martins (PSC-PR), líder da legenda na Câmara. “Ou o garoto-propaganda é ele, ou não tem reforma. O presidente tem que vender a importância das propostas defendidas pelo governo à sociedade”, acrescentou.

O sucesso da “live” motivou o governo a reproduzir a estratégia todas as quintas-feiras, às 18h30. A meta é comunicar ao público as ações e medidas defendidas pelo governo. Como ontem, quando Bolsonaro comentou sobre a reforma da Previdência (leia mais na página 3), a pretensão em estender a validade da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) de cinco para 10 anos e a proposta de extinguir as lombadas eletrônicas no país. “Não teremos mais nenhuma, e as lombadas que por ventura existirem — que ainda são muitas —, quando forem perdendo a validade, não serão renovadas”, afirmou.

Contratos renovados

O governo decidiu renovar os contratos com as agências Isobar e TV1 para cuidar da área de mídias digitais da Presidência da República. A renovação prevê o desembolso de R$ 32 milhões por ano com os serviços das duas empresas, o que representou uma redução de 25% em relação ao contrato anterior. A ideia é que as duas contratadas continuem fazendo o monitoramento dos perfis oficiais da Presidência. No fim de 2018, aliados do presidente cogitaram cancelar a prestação dos serviços e montar uma estrutura menor, para cuidar das redes sociais oficiais.


Publicidade