Publicidade

Estado de Minas

Justiça decreta sigilo sobre pedido de Lula para ir a velório de neto

Poucas horas depois de petição chegar à Justiça Federal do Paraná, informação sobre andamento do processo foi retirada do site


postado em 01/03/2019 16:05 / atualizado em 01/03/2019 16:43

(foto: Facebook/Reprodução )
(foto: Facebook/Reprodução )

Horas depois de a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) protocolar na Justiça Federal do Paraná um pedido para que o petista compareça ao velório e enterro do neto Arthur Lula da Silva, de 7 anos, a Justiça decretou sigilo do processo. 


Dessa forma, apenas as partes envolvidas terão acesso a qualquer informação do processo. Antes, pelo site da Justiça Federal, era possível acessar as fases, inclusive o resultado do julgamento. Agora, ao acessar o site, aparece uma mensagem dizendo que o número informado não está cadastrado no sistema. 

A assessoria de imprensa do órgão não informou quem pediu o sigilo no processo e nem se a ordem foi dada pela juíza Carolina Lebos, responsável por julgar o pedido.

No petição apresentada pelos advogados de Lula, há o compromisso de não divulgar informações sobre o trajeto que será realizado até Santo André, onde será o enterro da criança. A petição não informou ainda o local e horário do velório.

Arthur faleceu nesta sexta-feira pouco depois das 12h, vítima de meningite, doença caraterizada pela inflamação das meninges, membrana que envolve o sistema nervoso central. Segundo o hospital Bartira, em Santo André, a criança chegou ao local por volta das 7h20 com um "quadro instável". 


PT

 

Em nota divulgada em seu site, o PT afirmou estar solidário ao ex-presidente e seus familiares. "É mais uma tragédia pessoal que o atinge, em meio à perseguição política e à farda judicial de que ele é vítima", diz o texto assinado pela presidente nacional da legenda, Gleise Hoffman. 

 

"A dor de Lula é compartilhada por cada militante do PT e pelos milhões de brasileiros que o reconhecem como o presidente que mais combateu a fome e a mortalidade infantil, com programas sociais, de saúde e geração de renda. O presidente que defendeu a vida e um futuro melhor para nossas crianças". 


Publicidade