Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Guto Silva: 'Não estive nem no DER nem em qualquer outro lugar'


postado em 15/02/2019 17:57

O secretário da Casa Civil do Paraná, Guto Silva (PSD), negou enfaticamente nesta quinta-feira, 14, ter recebido R$ 100 mil, em 2014, das mãos do ex-diretor do Departamento de Estradas de Rodagem do Estado Nelson Leal Júnior, delator da Operação Lava Jato. O deputado licenciado da Assembleia Legislativa afirmou que não esteve "nem no DER nem em qualquer outro lugar".

"Essa declaração é inverídica. Não é apresentada uma prova sequer. Apenas palavras ao vento", afirmou.

Guto Silva declarou ser "a favor de que todo ocupante de cargo público possa ser investigado". Para o secretário, agentes públicos devem "ter os seus atos acompanhados de forma pública e transparente".

"Mas não tenho nenhum receio ou problema de confrontar essa delação porque é uma declaração mentirosa e caluniosa. Não há nenhum fato que possa, no mínimo, sugerir essa minha conduta. Agradeço essa oportunidade de deixar isso bem claro e a Justiça terá essa certeza também ao final de qualquer apuração", disse.

Na delação, Nelson Leal Júnior relatou que, em 2014, José Richa Filho, o Pepe Richa, irmão do ex-governador do Estado Beto Richa (PSDB), solicitou R$ 100 mil ao então presidente da Econorte, Helio Ogama - também delator - para ser usado na campanha de Guto Silva. A Lava Jato afirma que Nelson Leal Júnior era o principal responsável pelo esquema fraudulento no DER-PR.

O delator narrou à Lava Jato que, em agosto de 2014, ‘no dia em que Helio Ogama foi realizar a entrega do valor solicitado em espécie, nem José Richa Filho, nem Luiz Claudio estavam no prédio do DER’. Para os investigadores, o delator referiu-se a Luiz Cláudio da Luz, ex-assessor de Pepe Richa.

"Luis Claudio disse ao colaborador que, por conta da ausência dele e de José Richa Filho, o colaborador (Nelson Leal Júnior) deveria receber o montante de R$ 100 mil de Helio Ogama e entrega-lo a Guto Silva, o qual já estava avisado de que deveria buscar o dinheiro na sala do colaborador no DER", afirmou.

"Conforme previsto por Luis Claudio, Helio Ogama procurou o colaborador em sua sala e entregou ao mesmo o valor de R$ 100 mil; que, em seguida, no mesmo dia, Guto Silva foi até o DER e, na sala do colaborador, recebeu das mãos deste o valor de R$ 100 mil solicitado por José Richa Filho à Econorte."

COM A PALAVRA, GUTO SILVA

ESTADÃO:

Conhece Nelson Leal Júnior?

Conheço.

Há quanto tempo?

Desde que ele assumiu seu cargo no DER.

São amigos pessoais?

Não. A relação que eu sempre tive com Nelson Leal Júnior foi referente a trabalho. Sempre lutei por obras no Sudoeste do Paraná.

Esteve no DER, em 2014, para pegar R$ 100 mil?

Não estive nem no DER nem em qualquer outro lugar.

Pegou R$ 100 mil com Nelson Leal Júnior?

Não. Essa declaração é inverídica. Não é apresentada uma prova sequer. Apenas palavras ao vento.

Espaço aberto para manifestação

Sou a favor de que todo ocupante de cargo público possa ser investigado e deve ter os seus atos acompanhados de forma pública e transparente. Mas não tenho nenhum receio ou problema de confrontar essa delação porque é uma declaração mentirosa e caluniosa. Não há nenhum fato que possa, no mínimo, sugerir essa minha conduta. Agradeço essa oportunidade de deixar isso bem claro e a Justiça terá essa certeza também ao final de qualquer apuração.



Com a palavra, o advogado Gabriel Bertin, que defende Helio Ogama

"Hélio Ogama já se manifestou sobre este mesmo assunto tanto no acordo de colaboração quanto no interrogatório recentemente realizado."

Com a palavra, o advogado Bruno Augusto Vigo Milanez, que defende Pepe Richa

"A defesa não se manifesta sobre palavra de delator."

Com a palavra, o advogado Lorenzo Finardi, que defende Luiz Cláudio Luz

A reportagem fez contato com a defesa de Luiz Cláudio Luz. O espaço está aberto para manifestação.


Publicidade