Publicidade

Estado de Minas

Nuvem de palavras: ''Todos'' é a palavra mais repetida por Bolsonaro em seu discurso de diplomação

Confira as expressões mais frequentes e leia, na íntegra, o discurso do presidente eleito


postado em 10/12/2018 19:32 / atualizado em 11/12/2018 08:29

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), fez nesta segunda-feira, em Brasília, seu discurso de diplomação, em cerimônia no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em menos de oito minutos, agradeceu a Deus, às autoridades e voluntários envolvidos no processo eleitoral que o consagrou vencedor nas urnas, à família e aos colaboradores, sobretudo os mais antigos. Agradeceu também aos eleitores que o escolheram e pediu a confiança dos que não o apoiaram, que representam 45% dos votos válidos para a função. 


Com abstenção recorde de 20,3% e a necessidade de costurar alianças para o novo governo, a inclusão foi a tônica do discurso, que teve como protagonista a palavra “todos”, citada 11 vezes. Na nuvem de palavras gerada a partir de um programa que faz a leitura da íntegra do discurso, aparecem também em destaque “não” (10 vezes), “brasileiro(s)” (10 vezes), Brasil (sete vezes) e eleições (cinco vezes). Em seu discurso de diplomação, Bolsonaro também repete a palavra Deus, que aparece quatro vezes ao longo do discurso.


Veja como ficou a nuvem de palavras do discurso desta segunda-feira:

(foto: Evaristo Sá/AFP)
(foto: Evaristo Sá/AFP)
 

 

Leia abaixo, a íntegra do discurso: 

 

"Em primeiro lugar, eu quero agradecer a Deus por estar vivo, e também quero agradecer a Deus por essa missão à frente do Executivo. Tenho certeza que, ao lado dele, venceremos os obstáculos.


Parabenizo aqui a família da Justiça Eleitoral pelo extraordinário trabalho realizado nas eleições de outubro do corrente ano. A cada um de vocês, integrantes do TSE, dos tribunais regionais eleitorais, das Forças Armadas e do Serviço Exterior Brasileiro, mesários, voluntários e todos os outros cidadãos que participaram das eleições, expresso meu muito obrigado e o meu reconhecimento por essa demonstração de civismo e amor ao Brasil.


Hoje, eu e meu contemporâneo, general Hamilton Mourão, recebemos os diplomas que nos habilitam à investidura nos cargos de presidente e vice-presidente da República. Trata-se do reconhecimento de que o povo escolheu seus representantes em eleições livres e justas, como determina a nossa Constituição.


Não poderia estar mais honrado com a confiança demonstrada pelo povo brasileiro. Essa vitória não é só minha. O caminho que me trouxe aqui foi longo e nem sempre foi fácil. Durante a minha vida pública como militar, vereador e deputado federal sempre me pautei pela defesa dos valores da família, pelos interesses do Brasil e pela soberania nacional.


Orientei a plataforma da minha campanha à Presidência da República pela defesa desses valores. A todos aqueles que me apoiaram e que confiaram na minha capacidade de lutar em favor do Brasil, o meu muito obrigado. Agradeço com carinho à minha família. A minha mãe, Olinda, ainda viva, com 91 anos de idade, minha esposa Michelle, meus filhos Flávio, Carlos, Eduardo e Renan e a minha querida filha Laura.


Nada disso teria sido possível sem o amor e o apoio incondicional de vocês. Agradeço também a todos que acreditaram e que estiveram comigo desde o início da minha trajetória, nos momentos felizes, mas, sobretudo, nos momentos difíceis. Essa vitória é de todos nós. Agradeço muito especialmente aos mais de 57 milhões de brasileiros que me honraram com o seu voto. Aos que não me apoiaram, peço sua confiança para construirmos, juntos, um futuro melhor para o nosso país.


A partir de 1º de janeiro, serei o presidente dos 210 milhões de brasileiros. Governarei em benefício de todos, sem distinção de origem social, raça, sexo, cor, idade ou religião. Com humildade, coragem e perseverança, e tendo fé em Deus para iluminar as minhas decisões, me dedicarei, dia e noite, a um objetivo que nos une: a construção de um Brasil próspero, justo, seguro e que ocupe o lugar que lhe cabe entre as grandes nações do mundo. Esse é o nosso Norte. Esse é o nosso compromisso.


Senhoras e senhores, somos uma das maiores democracias do mundo. Cento e vinte milhões de brasileiros compareceram às urnas, de forma pacífica e ordeira. Respondemos ao dever cívico do voto com serenidade e responsabilidade. Nós, brasileiros, devemos nos orgulhar dessa conquista. Em um momento de profundas incertezas em várias partes do Globo somos um exemplo de que a transformação pelo voto popular é possível. Esse processo é irreversível. Nosso compromisso com a soberania do voto popular é inquebrantável. 


Senhoras e senhores, os desejos de mudança foram expressos de forma clara nas eleições. A população quer paz e prosperidade, sem abdicar dos valores que caracterizam o povo brasileiro. Nossa gente é trabalhadora, constituída por homens e mulheres, por mães e pais que criam seus filhos com suor e dedicação, tendo todos a esperança de uma vida digna. Gente que não mede esforços para obter o sustento de seus familiares. Gente que precisa de um governo que garanta condições adequadas para desenvolver seu potencial com liberdade e criatividade.

A construção de uma nação mais justa e desenvolvida requer uma ruptura com práticas que, historicamente, retardaram o nosso progresso. Não mais à corrupção. Não mais à violência. Não mais manipulação ideológica. Não mais submissão do nosso destino a interesses alheios. Não mais mediocridade complacente em detrimento do nosso desenvolvimento. Todos conhecemos a pauta histórica de reivindicações da população brasileira. Segurança pública e combate ao crime. Igualdade e oportunidade, com respeito ao mérito e ao esforço individual. Todos sabemos disso, mas ainda não conseguimos oferecer à população o que lhe cabe por dever do Estado. 


Sempre no marco da Constituição Federal, nosso dever é transformar esses anseios em realidade. Nossa obrigação é oferecer um Estado eficiente, que faça valer a pena os impostos pagos pelo contribuinte. Nossa obrigação é garantir que os brasileiros regressem a seus lares em segurança, após um dia de trabalho. Nosso dever é oferecer condições para que o empreendedor crie empregos e gere renda ao trabalhador. 


Tenho plena consciência dos desafios que se colocam diante de nós. Sem subestimá-los, trabalharei com afinco para que, daqui a quatro anos, possamos olhar para trás com orgulho pelo caminho trilhado em benefício do nosso amado Brasil. 


Senhoras e senhores, vivenciamos um novo tempo. As eleições de outubro revelaram uma realidade distinta das práticas do passado. O poder popular não precisa mais de intermediação. As novas tecnologias permitiram uma relação direta entre o eleitor e seus representantes. Nesse novo ambiente, a crença na liberdade é a melhor garantia de respeito aos altos ideais que balizam nossa Constituição. Diferenças são inerentes a uma sociedade múltipla e complexa como a nossa, mas jamais devemos nos afastar dos ideais que nos unem: o amor à pátria e o compromisso com a construção de um presente de paz e de um futuro mais próspero. 


Senhora ministra Rosa Weber, senhores ministros do TSE, senhoras e senhores, que esse trabalho coletivo, que garantiu a legitimidade do processo eleitoral, seja um exemplo da união em prol do Brasil. Com o apoio e o engajamento de todos, vamos resgatar o orgulho de ser brasileiro, vamos resgatar o orgulho pelas cores da nossa bandeira e pela força do nosso hino, porque temos a certeza de que esse país tem como destino a prosperidade e a paz. O Brasil deve estar acima de tudo. Que Deus abençoe nosso país e a todos nós, brasileiros. Meu muito obrigado a todos."


Publicidade