Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Moro adianta pedido de exoneração do cargo de juiz para ser ministro de Bolsonaro

Juiz havia informado anteriormente que pretendia pedir a exoneração próximo da data em que tomaria posse como responsável pela pasta. Documento já foi assinado pelo presidente do TRF-4


postado em 16/11/2018 14:42 / atualizado em 16/11/2018 15:14

(foto: / AFP / Heuler Andrey )
(foto: / AFP / Heuler Andrey )

O futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro, pediu exoneração do cargo de juiz nesta sexta-feira. A medida já começa a valer a partir da próxima segunda-feira, 19. No ofício, encaminhado ao presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) Thompson Flores, Moro alega que pediu a antecipação do pedido após questionamentos de que, estando em período de férias, ele não poderia participar das reuniões da equipe de transição do governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).


“Venho, mais uma vez registrando meu pesar por deixar a magistratura, requerer minha exoneração do honroso cargo de juiz federal da Justiça Federal da 4ª Região, com efeitos a partir de 19/11/2018, para que eu possa então assumir de imediato um cargo executivo na equipe de transição da Presidência da Republica e sucessivamente o cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública”, afirmou no texto.


Logo que teve o nome anunciado como ministro de Bolsonaro, Moro afirmou que pretendia pedir a exoneração próximo da data em que tomaria posse como responsável pela pasta. Ele estava de férias desde o dia 5 deste mês e ficaria nesta condição por 17 dias, mas resolveu adiantar a saída.


“Houve quem reclamasse que eu, mesmo em férias, afastado da jurisdição e sem assumir cargo executivo, não poderia sequer participar do planejamento de ações do futuro governo”, afirmou.


Ainda de acordo com Moro, a medida deixa sua família descoberta de alguns benefícios decorrentes de seu cargo, como a cobertura previdência, mas, mesmo assim, ele entendeu ser melhor adiantar a solicitação para deixar a carreira de juiz.


“Embora a permanência na magistratura fosse relevante ao ora subscritor por permitir que seus dependentes continuassem a usufruir de cobertura previdenciária integral no caso de algum infortúnio, especialmente em contexto na qual há ameaças, não pretendo dar azo a controvérsias artificiais, já que o foco é organizar a transição e as futuras ações do Ministério da Justiça”, afirmou.


Por fim, ele agradece o período em que esteva como juíz. “Destaco meu orgulho pessoal de ter exercido durante 22 anos o cargo de juiz federal e de ter integrado os quadros da Justiça Federal brasileira, verdadeira instituição republicana”, finalizou Sérgio Fernando Moro.

 Leia a íntegra do pedido de exoneração de Sérgio Moro:  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade