Publicidade

Estado de Minas

PF faz buscas em gabinete de João Magalhães na Assembleia Legislativa

Policias estão no local desde o início desta manhã. O parlamentar foi preso pela Operação Capitu, que investiga esquema de corrupção envolvendo políticos, empresários e o Ministério da Agricultura


postado em 09/11/2018 08:22 / atualizado em 09/11/2018 09:48

Policial legislativa foi deslocada para porta do gabinete para garantir o acesso restrito à PF(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
Policial legislativa foi deslocada para porta do gabinete para garantir o acesso restrito à PF (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)

O gabinete do deputado estadual João Magalhães é alvo de busca e apreensão pela Polícia Federal na manhã desta sexta-feira. O delegado Luiz Augusto conduz a operação que conta ainda com quatro agentes, e nenhum funcionário do deputado teve acesso ao local, que está restrito aos policiais.

João Magalhães foi preso no início desta manhã pela Operação Capitu, que investiga um esquema de corrupção no Ministério da Agricultura, com a participação de empresários, servidores da Pasta e políticos do MDB.

O nome de João Magalhães já havia sido citado na Lava-Jato no ano passado, em razão da divulgação de um áudio em que ele cobrava uma propina de R$ 4 milhões ao executivo da JBS, Ricardo Saud.

Antes de chegar à Assembleia Legislativa, Magalhães foi deputado federal por quatro mandatos.

O vice-governador Antonio Andrade (MDB) também foi preso na mesma operação. Andrade estava em sua fazenda em Vazante, Noroeste de Minas Gerais. Ele foi ministro da Agricultura durante o governo de Dilma Rousseff (PT).

Além de Minas Gerais, a operação acontece no Distrito Federal, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraíba e Mato Grosso. Os executivos da JBS Joesley Batista, Ricardo Saud e Demilton de Castro sãoa lguns dos presos na operação.  O deputado federal eleito Neri Geller (PP-MT), que foi ministro da Agricultura em março e abril de 2014 também está preso. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade