Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Doria pede à bancada do PSDB na Câmara que ajude governo Bolsonaro

Governador eleito de São Paulo afirmou que o partido 'não ficará mais em cima do muro'


postado em 07/11/2018 16:25 / atualizado em 07/11/2018 17:41

João Doria foi na contramão de Geraldo Alckmin, presidente do PSDB, que pregou oposição ao governo Bolsonaro(foto: Wilson Dias/Agência Brasil/Agência Brasil)
João Doria foi na contramão de Geraldo Alckmin, presidente do PSDB, que pregou oposição ao governo Bolsonaro (foto: Wilson Dias/Agência Brasil/Agência Brasil)
O governador eleito de São Paulo, João Doria, afirmou nesta quarta-feira, que "o PSDB, agora, vai ter lado e não ficará mais em cima do muro". O recado de Doria foi dado em almoço com a bancada do PSDB na Câmara, em Brasília, quando ele pediu aos deputados que aprovem a reforma da Previdência, se possível ainda neste ano, e ajudem o presidente eleito, Jair Bolsonaro, a governar.

Na contramão de Geraldo Alckmin - candidato derrotado à Presidência, que prega a oposição do PSDB a Bolsonaro -, Doria disse aos tucanos que o partido precisa pensar no futuro e, mesmo sem fazer parte do governo Bolsonaro, auxiliar o capitão reformado do Exército no Congresso. Ainda nesta quarta-feira, o governador eleito vai se encontrar com Bolsonaro.

Presidente do PSDB, Alckmin esteve em Brasília nesta terça e quarta-feira, mas não participou do almoço com Doria e a bancada. O movimento de Alckmin é para articular um polo de resistência à hegemonia de Doria sobre o partido. Nessa iniciativa, ele conta com o apoio dos senadores Tasso Jereissati (CE) e José Serra (SP), entre outros.

"Não vamos fazer oposição simplesmente por fazer, mas, na minha opinião, deveremos ficar independentes em relação ao governo Bolsonaro", afirmou Tasso, cotado por partidos de oposição como pré-candidato à presidência do Senado, em fevereiro de 2019.

O senador Aécio Neves (PSDB-MG), eleito deputado, e o governador reeleito de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), também estiveram no almoço desta quarta-feira com Doria.

Alckmin assumiu o comando do PSDB em dezembro do ano passado, na esteira da crise envolvendo as denúncias contra Aécio por executivos da J&F na Lava Jato. O mandato do ex-governador de São Paulo vai até dezembro de 2019, mas a reportagem apurou que a troca de comando no PSDB pode ser antecipada para maio. Nos bastidores, o nome mais cotado para o posto, hoje, é o do deputado Bruno Araújo (PSDB-PE), ex-ministro das Cidades no governo de Michel Temer.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade