Publicidade

Estado de Minas

Em dia com a política


postado em 04/11/2018 01:02 / atualizado em 04/11/2018 07:53

Torcida para quem está desempregado

Finalmente, foram anunciadas algumas das principais medidas do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). A primeira, logo seguida pela segunda, foi tratar do cabelo. Isso mesmo, o corte dele. O de sexta-feira foi de mentirinha, o de fato ontem, com o seu barbeiro há mais de 20 anos, Antônio Oliveira. Fãs e apoiadores, óbvio, se aglomeraram e o trânsito ficou congestionado em Bento Ribeiro, bairro do Rio de Janeiro que fica na Zona Norte da cidade.

A notícia que interessa de fato, no entanto, atinge em cheio o estilista do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que cobra em dólares – até US$ 5 mil – por um terno. Para que fique claro, tem o Duda Mendonça envolvido. Foi ele quem indicou o estilista Ricardo Almeida. Sua missão era deixar Lula mais apresentável, uma repaginada para dar a ele mais credibilidade. Afinal, estilo mesmo na época quem tinha era Fernando Collor de Mello. Até hoje, né? Basta ver como se veste no Congresso.

Chega de história e melhor tratar dos dias atuais, mais especificamente do cabeleireiro Maxwell Gerbatim, que teria cortado o cabelo do presidente eleito na sexta-feira na casa dele, na Barra da Tijuca, mas trabalha em Nova Iguaçu (RJ). Isso mesmo, a região ou ex-subúrbio, como também é tratado, que se transformou em bairro. Maxwell revelou que Bolsonaro faz isso desde que era vereador. Nem vou contar todos os mandatos eleitorais, basta que ele era vereador na época.

De volta ao terno da posse, será um de tecido italiano de 150 fios, com corte clássico. Já chega. Vale apenas mais um registro, o que, por causa da facada em Juiz de Fora, a bolsa de colostomia que ele usa até hoje está marcada para ser retirada em dezembro, no dia 12 para ser mais exato. Aí então será a prova final.

Se a rápida passagem pela paradisíaca Marambaia, onde presidentes da República costumam se refugiar em feriados prolongados ou férias mesmo, o encontro de quarta-feira agora está confirmado. É aquele com o presidente Michel Temer (MDB), para tratar da transição, que deve ser tranquila.

Ainda mais depois das previsões mais recentes de que a economia pode virar a curva e conseguir, um pouco que seja, dar resultados positivos no tamanho do PIB. A queda prevista antes já está sendo repensada e traz agora uma reação um pouco mais robusta. Vale a torcida, não para Bolsonaro e muito menos para Temer. É para os desempregados mesmo.

É hora então de concluir, afinal, já está em vigor o horário de verão, aquele que só gosta quem mora na praia e consegue entrar no mar ainda com sol. Só que tem alerta no meio do caminho, no meio do caminho tem um alerta para todo mundo que fará hoje o Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem. Cuidado para não perder a hora, porque será no mesmo dia em que a hora já estará adiantada. Sendo assim, boa prova aos estudantes. Façam com calma, sem correria.

Site oficial

O PSL criou um site para informar sobre as decisões oficiais que serão tomadas pelo presidente eleito Jair Bolsonaro durante o governo de transição. O anúncio foi feito na página do partido no Twitter. Intitulado “Muda de Verdade”, o portal está no ar, mas ainda não tem publicações. As decisões de Bolsonaro começarão a ser veiculadas ali a partir da próxima semana, quando a equipe de transição for oficialmente anunciada e iniciar os trabalhos. O partido criou ainda canais no Twitter (@portalmudabr), no Facebook e no Instagram. O partido também lançou a hashtag #MudaDeVerdadeBrasil para perguntar aos internautas o que eles esperam do governo de Bolsonaro. Nos comentários, os eleitores pedem desde a “extinção de petistas” a uma solução para a violência e para a corrupção.

Na TV

Em entrevista ao pastor Silas Malafaia, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que sua eleição só pode ser explicada “pelo amor de Deus”. A conversa, de quase 10 minutos, foi gravada na terça-feira passada, mas foi ao ar ontem. “Longe de mim querer ser o salvador da pátria”, disse Bolsonaro ao pastor. “Mas o país não podia continuar flertando com o comunismo, o socialismo, com o populismo, com o desgaste dos valores familiares.”  Malafaia, que casou o capitão da reserva com sua atual mulher, Michelle, há 11 anos, falou sobre a nova primeira-dama: “É uma mulher discreta, simples, que gosta do ser humano, que na minha igreja costumava servir à mesa, é prendada, gosta do ser humano e tem um trabalho lindo com deficientes auditivos”, disse.

Por 1 voto

Enquanto no país, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) teve vantagem de 10 milhões de votos sobre seu adversário Fernando Haddad (PT), em duas cidades a vitória foi apertadíssima: um voto apenas. Três Ranchos (GO) deu a Bolsonaro 1.183 votos, contra 1.182 do petista. Em Pontão (RS), o placar ficou em 1.297 a 1.296. Mas quem liga para isso? “O que pega aqui é a eleição para prefeito”, explicou o empresário e bolsonarista “roxo” Leomilson Santana, de 40 anos, filho do vice-prefeito de Três Ranchos, Milson Santana (PSD). Na cidade a abstenção foi alta: 900 dos 3.496 eleitores não foram às urnas.

Cidadão uruguaio

Depois de ser acusado de fazer política em seus shows pelo Brasil, o cantor e ativista inglês Roger Waters, se declarou, no Uruguai, um admirador do ex-presidente José Mujica, que governou entre 2010 e 2015, e das políticas econômicas do país. “É maravilhoso estar aqui em Montevidéu porque o Uruguai tem muito valor para o resto dos cidadãos do mundo”, declarou um dos fundadores do Pink Floyd. Ele fez seu primeiro show no país ontem. Waters disse que, mesmo com uma pequena população (cerca de 3,3 milhões de habitantes), a nação é “enorme em termos da influência que tem”. “Agradeço a ‘Pepe’ Mujica, entre outros, por ter tido a inteligência e o coração para mostrar que há outros caminhos. Temos que aprender a atuar como uma comunidade global de seres humanos.” Waters recebeu o título de cidadão ilustre de Montevidéu.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade