Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

UFMG nega que prédios do campus Pampulha foram invadidos e depredados após eleição

Nas redes sociais, alunos e professores indicavam que universidade havia sido invadida


postado em 28/10/2018 23:39 / atualizado em 29/10/2018 00:26

Vista da reitoria da Universidade Federal de Minas Gerais no campus Pampulha(foto: Leandro Couri/EM)
Vista da reitoria da Universidade Federal de Minas Gerais no campus Pampulha (foto: Leandro Couri/EM)


Por meio de nota, a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) negou que o campus Pampulha, na Região Nordeste de Belo Horizonte, foi invadido na noite deste domingo, após a divulgação dos resultados das eleições. Nas redes sociais, estudantes e professores indicavam que prédios da universidade haviam sido depredados por motivações políticas.

"Não procedem as informações de que teria havido invasão de prédios do campus Pampulha, seguida de depredação, na noite deste domingo, 28. Diante das várias informações desencontradas que circularam em redes sociais, a UFMG tomou medida preventiva de acionar sua equipe gestora para apurar e esclarecer as informações. Nenhuma anormalidade foi registrada", lê-se na nota.

Questionada se o campus - e não os prédios propriamente ditos - havia sido invadido, a assessoria de comunicação da reitoria da UFMG respondeu que o posicionamento da universidade se restringe às informações da nota.

Mensagens de Whatsapp e publicações no Twitter se espalharam ao longo da noite sobre o ocorrido. Prédios como os da Escola de Belas Artes (EBA), Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (Fafich) e Escola de Engenharia haviam sido ligadas a eventuais invasões.

A Polícia Militar chegou a ser acionada e enviou policiais até a universidade. Eles, entretanto, não puderam entrar no local, já que o campus é território federal.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade