Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Movimento inter-religioso faz manifesto pela democracia e pede apoio a Haddad


postado em 11/10/2018 17:17

Movimento inter-religioso, que reúne grupos e igrejas de diferentes religiões, divulgou nesta quinta-feira, 11, um Manifesto contra a Barbárie, no qual se posiciona em favor da democracia e declara apoio à candidatura do petista Fernando Haddad e sua vice Manuela D'Ávila. "Nós membros dos movimentos que subscrevem este manifesto, vimos a público neste momento decisivo em que a barbárie desafia a civilização, nos manifestar em nome da democracia", diz o texto.

"Acreditamos em um Deus de bondade e de amor. Um Deus que ama todas suas criaturas, não importa sua cor ou seu gênero. Ele nos fez à sua semelhança e nossa diversidade é a prova de um Deus que está em cada um de nós", diz o texto, acrescentando que toda vez que a fé foi utilizada para promover o ódio, "tivemos os piores períodos da nossa história". "Não podemos colaborar para que estes tempos sombrios voltem a surgir entre nós. A barbárie que bate a nossa porta não pode entrar", acrescenta o manifesto.

Ao final do texto, um apelo para que Deus nos proteja e permita que o "bem vença o mal, o amor e a compaixão vençam o ódio que foi semeado no coração de cidadãos brasileiros". "Por tudo isso nós conclamamos o apoio aos candidatos Fernando Haddad e Manuela D'Ávila, através do seu voto", conclui.

Assinam o manifesto: o movimento Judeus contra Bolsonaro, Articulação Judaica, Movimento Nossa Voz - SP, Igreja Anglicana Latino Americana - MG, Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito Abrahamicos Unidos - Rio de Janeiro, Mesquita Sumayyah Bint Khayyat - Embu das Artes-SP, Comissão Justiça e Paz - SP, Juprog, Grupo Católico de Oração e Solidariedade Rio Maria-RJ, Cristãos e Cristãs contra o fascismo, Evangélicos pela Justiça, Aliança de "Batistas do Brasil", e Grupo Católico de Oração e Solidariedade Expedito Ribeiro de Souza-RJ.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade