Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Bolsonaro muda postura e pouco interage com simpatizantes na hora de votar

Candidato à presidência pelo PSL foi escoltado por policiais federais e vestiu colete à prova de balas


postado em 07/10/2018 18:48 / atualizado em 07/10/2018 19:11

Jair Bolsonaro ficou cercado de homens da Polícia Federal durante votação neste domingo, no Rio(foto: AFP / Mauro Pimentel )
Jair Bolsonaro ficou cercado de homens da Polícia Federal durante votação neste domingo, no Rio (foto: AFP / Mauro Pimentel )
Eleitor na 581ª seção da 23ª zona eleitoral na Escola Municipal Rosa da Fonseca, na Vila Militar, Zona Oeste do Rio, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) costumava chegar logo na votação, às 8h, e permanecer na entrada, cumprimentando eleitores. Neste domingo (7 de outubro), como candidato à presidência e primeiro colocado nas pesquisas, foi diferente. Ao sair do carro, Bolsonaro, que usava colete à prova de balas, foi escoltado por policiais federais e pouco interagiu com simpatizantes. Ele foi embora depois de 15 minutos.

"Ele sempre ficava aqui na frente, quietinho, mas respondia quando falavam com ele. Hoje vim pensando que ia vê-lo, mas não deu tempo. A zona também sempre foi tranquila, hoje está muito mais movimentada", comparou a aposentada Rosana Gouveia Itatty, de 57 anos, esposa de militar e eleitora de Bolsonaro. "Acho que ele representa a volta do conservadorismo, a valorização da família", disse a mulher, que estava acompanhada de seu filho, Cassio Itatty, de 37 anos, que disse trabalhar na área da segurança e usava uma bandeira do Brasil em volta do corpo.

A todo momento, pessoas com bandeiras e camisas do Brasil entravam para votar no local. Foi o caso também do militar Alexandre Lima, de 50 anos. "Me identifico muito com o que ele prega. O Brasil precisa mudar. Acho que ele vai ajudar para o crescimento do País", disse.

O militar Carlos Eduardo Gomes, de 40 anos, que também carregava uma bandeira do Brasil, levou a filha de 8 anos para votar com ele. "Quero que ela aprenda desde cedo a fazer as escolhas certas. Não idolatro Bolsonaro, mas acredito que ele é o melhor candidato", disse Gomes, apesar de estar com uma camisa preta estampada com o rosto do candidato.

Já Andressa Villar, de 30 anos, mulher de um militar que mora na Vila, destacou que Bolsonaro tem mais "propostas de segurança", o que avaliou ser o que o Brasil mais precisa no momento. "Além disso, gosto da sua proposta de incentivar colégios militares, que são os melhores, principalmente pelos ensinamentos de moral e cívica, tão importantes para formar o caráter de nossos filhos", disse.

A Escola Municipal Rosa da Fonseca estava preenchida, em seus corredores, com cartazes antibullying, que educavam os alunos a não criticarem as diferenças dos colegas. Em rápida passagem pelo corredor escoltado por policiais, Bolsonaro não chegou a ver a decoração. Ele estava acompanhado de seus filhos: o vereador Carlos Bolsonaro e o candidato ao senado pelo Rio, Flávio Bolsonaro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade