Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Bolsonaro promete que, se eleito, governo terá "no máximo" 15 ministérios

Presidenciável voltou a falar da intenção de 'enxugar' gastos do governo federal


postado em 05/10/2018 22:43 / atualizado em 05/10/2018 22:50

Jair Bolsonaro (PSL) falou sobre intenção de reduzir número de ministérios se for eleito(foto: Reprodução/Facebook)
Jair Bolsonaro (PSL) falou sobre intenção de reduzir número de ministérios se for eleito (foto: Reprodução/Facebook)

O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) prometeu que, se eleito, comandará um governo com “no máximo 15 ministros”. Atualmente, existem 29 ministérios.

"Nós temos tudo para ganhar no primeiro turno e ganharíamos três semanas para montar um ministério enxuto, com no máximo 15 ministros, que possa representar os interesses da população, não de partidos", disse Bolsonaro, em transmissão ao vivo no Facebook nesta quinta-feira.

Bolsonaro já havia manifestado anteriormente a intenção de diminuir o número de ministérios, apesar de nunca ter dado detalhes sobre quais seriam extintos. Há três dias, o candidato disse ter intenção de unificar as pastas de Agricultura e Meio Ambiente, além de Fazenda e Planejamento.

“Seria a fusão do Ministério da Agricultura com o do Meio Ambiente. Não haveria mais brigas. Esse ministro, uma pessoa competente, indicada pelo setor produtivo do campo, e aí agronegócio e agricultura familiar, será uma pessoa que facilite a vida de quem produz no campo”, disse na última terça-feira.

O ministério unificado de Fazenda e Planejamento ficaria a cargo do economista Paulo Guedes em caso de vitória de Bolsonaro. O presidenciável associou a queda do dólar - que fechou a R$ 3,85 na última sessão antes do primeiro turno das eleições - ao fato de ele liderar as pesquisas de intenção de voto.

"Em grande parte, isso vem da confiança que eles têm no nosso, no que depender de mim, futuro ministro da Fazenda e do Planejamento, também um superministério, que é o Paulo Guedes", disse.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade