Publicidade

Estado de Minas

Inquérito de agressor de Bolsonaro pode passar para a Polícia Civil

O promotor de Juiz de Fora, Oscar de Abreu, entende que não se aplica a Lei de Segurança Nacional, e que Adélio deve ser investigado apenas pela Polícia Civil, por tentativa de homicídio


postado em 14/09/2018 14:50 / atualizado em 14/09/2018 18:04

Adélio Bispo em audiência de custódia que o direcionou ao presídio federal de Mato Grosso do Sul(foto: Reprodução)
Adélio Bispo em audiência de custódia que o direcionou ao presídio federal de Mato Grosso do Sul (foto: Reprodução)
O promotor de justiça de Juiz de Fora, Oscar Santos de Abreu, requisitou ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais, que a Polícia federal envie cópias do inquérito e resultados de laudos de perícias para que a Polícia Civil de Minas gerais assuma as investigações sobre o atentado que Jair Bolsonaro sofreu.

No último dia 6, Adélio foi preso e um inquérito aberto pela Polícia Federal segundo a Lei de Segurança Nacional. O entendimento do delegado que preside o caso é de que a facada desferida contra o líder da campanha presidencial 2018, Jair Bolsonaro (PSL), representa um atentado "contra o regime democrático e a representatividade". O suspeito foi enviado ao Presídio Federal de Mato Grosso do Sul.

Porém, a Polícia Civil de Juiz de Fora abriu também um inquérito para apurar a tentativa de homicídio contra Jair Bolsonaro. "Essa representação chegou até mim anteontem (12) e hoje (14) requeri ao juiz do TJMG que requisite à Polícia Federal cópias do inquérito, das diligências e laudos. Só assim poderemos averiguar se é uma competência da Justiça federal ou estadual", afirma o promotor Oscar de Abreu.

Promotor acha que facada foi por divergência pessoal e não ameaça ao regime democrático ou à representatividade (foto: RAYSA LEITE/AFP)
Promotor acha que facada foi por divergência pessoal e não ameaça ao regime democrático ou à representatividade (foto: RAYSA LEITE/AFP)
O Ministério Público Federal (MPF) já havia se manifestado sobre a questão e também considera que a questão seja de competência federal e deva se manter sob a Lei de Segurança Nacional.

Por outro lado, o promotor de Juiz de Fora argumenta que na própria audiência de custódia de Adélio Bispo, a juíza que o ouviu deixou em dúvida essa competência. "A magistrada relatou que o enquadramento na Lei de Segurança Nacional era segundo o entendimento do delegado", afirma.

Para Oscar de Abreu, a tentativa de homicídio é clara. "Não foi um atentad contra o regime democrático em que vivemos. Não foi por isso que o Adélio esfaqueou o Bolsonaro. Também não era contra a representatividade do estado. Ele divergia ideológicamente e até religiosamente  do candidato e tentou matá-lo por isso", justifica.

O promotor compara o crime como os que ocorrem com adversários políticos em outros pleitos. "É como se um candidato a prefeito fosse atacado por um rival, ou um vereador por alguém que discorda dele. A discordância é pessoal", avalia.

Para o promotor de Juiz de Fora, a aceitação de que se trata de tentativa de homicídio exclui a tese de Lei de Segurança Nacional. "Se uma for aceita a outra se extingue. Mas nem por isso o Adélio precisa sair do presídio federal. Ele está lá mais por uma questão de segurança do próprio Adélio. Caso seja necessário, a polícia pode requisitar uma diligência até lá", disse.

Segundo o promotor estadual Oscar de Abreu, a Polícia Civil já colheu depoimentos da dona do estabelecimento onde Adélio ficou hospedado, com os guardas penitenciários que o atenderam e também com os presos com quem conversou. "precisamos do material já colhido, com as perícias já feitas para que a Polícia Civil não faça o mesmo trabalho já iniciado pela Polícia Federal", disse Abreu. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade