Publicidade

Estado de Minas

Agressor de Bolsonaro vai para presídio federal, determina juíza

Adelio Bispo de Oliveira é investigado por infringir Lei de Segurança Nacional


postado em 07/09/2018 17:25 / atualizado em 07/09/2018 20:12

Adelio Bispo de Oliveira foi indiciado na Lei de Segurança Nacional (foto: Divulgação/PM)
Adelio Bispo de Oliveira foi indiciado na Lei de Segurança Nacional (foto: Divulgação/PM)

A juíza Patrícia Alencar Teixeira de Carvalho, da 2ª Vara Federal da Subseção de Juiz de Fora, na Zona da Mata de Minas Gerais, decidiu, em audiência de custódia, pela transferência de Adelio Bispo de Oliveira para um presídio federal. O homem de 40 anos, que esfaqueou o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), cumpre prisão preventiva desde a madrugada desta sexta-feira, quando foi conduzido ao Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp).
 
A audiência estava marcada para 16h e durou até 17h desta sexta-feira. Ainda não há definição sobre onde exatamente Adelio ficará preso. A escolha da penitenciária depende das vagas disponíveis. A própria defesa, representada por quatro advogados, concordou com a transferência para um presídio federal.
 
Familiares ouvidos pelo Estado de Minas haviam demonstrado preocupação quanto à integridade física de Adelio. Um dos advogados dele, Zanone Manuel de Oliveira Júnior, admitiu a tendência de condenação.

“Se a defesa vai trabalhar nesse processo, ela vai trabalhar até com um pedido de condenação. Mas um pedido de condenação levando em consideração todas as circunstâncias atenuantes: a conduta da vítima, a confissão espontânea…”, disse.

Representante de Bolsonaro no caso, o deputado federal Fernando Francischini (PSL-PR) defendeu o cumprimento da prisão preventiva em cela separada para evitar, nas palavras do próprio parlamentar, “queima de arquivo”.

Francischini demonstrou estranhamento com o fato de Adelio contar com quatro advogados particulares para defendê-lo no caso. “Nos chama muita atenção - e aqui eu faço o registro de que é um direito da defesa ter advogados -, mas alguém, em situação de pobreza como a gente viu, ter quatro advogados e não ter a defensoria pública acompanhando… Só aí eu deixo para vocês de que não há indícios de que não é um ‘lobo solitário’ sem estrutura financeira nenhuma”, disse.

Adelio vivia em Juiz de Fora há cerca de 15 dias. Na pensão onde morava, foram apreendidos um notebook e dois celulares - além dos dois que ele carregava no momento em que esfaqueou Bolsonaro. 
 
Adelio foi indiciado na Lei de Segurança Nacional, que prevê punições a crimes com motivação política. O Artigo 20 diz respeito a “atentado pessoal por inconformismo político”.
 
O próprio investigado admitiu ter esfaqueado Bolsonaro por motivações políticas e religiosas. A cena, inclusive, foi registrada em vídeos por apoiadores do presidenciável.

Cerca de 20 pessoas se reuniram do lado de fora do prédio em que a audiência foi realizada para apoiar Bolsonaro. A maioria dos participantes era composta por homens. Crianças também foram levadas ao movimento.

Suspeitos


No entendimento dos representantes de Bolsonaro, Adelio não agiu sozinho. A própria Polícia Federal admitiu a investigação de pelo menos outros dois suspeitos de envolvimento no caso.

Representante da Subseção de Juiz de Fora da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Robson Feijão disse que as investigações iniciais apontam que uma mulher, de cerca de 25 anos, e um homem, não identificado, podem ter participado do ataque. 

O caso

 
Durante um ato de campanha na tarde dessa quinta-feira em Juiz de Fora, na Zona da Mata, Jair Bolsonaro foi esfaqueado. Apoiadores registraram o momento, ocorrido no cruzamento entre as ruas Halfeld e Batista de Oliveira.
 
Bolsonaro foi levado às pressas para a Santa Casa, onde foi atendido e passou por cirurgia ainda na tarde dessa quinta. Como o quadro clínico já era considerado estável, o presidenciável deixou Juiz de Fora rumo a São Paulo na manhã desta sexta. Na capital paulista, seguirá a recuperação no Hospital Israelita Albert Einstein.
 
Adelio, por sua vez, foi conduzido até a Polícia Federal. O homem de 40 anos, nascido em Montes Claros, no Norte de Minas Gerais, foi transferido para o Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp) durante a madrugada. De lá, partiu para a audiência.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade