Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Justiça nega habeas corpus e Puccinelli continua preso em MS


postado em 04/09/2018 08:07

A 5ª. Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª. Região (TRF-3) negou ontem habeas corpus impetrado pela defesa do ex-governador do Mato Grosso do Sul André Puccinelli (MDB), que pediu a sua libertação.

Puccinelli está preso há 46 dias, em Campo Grande. No julgamento do mérito da medida, o colegiado decidiu por maioria de votos - dois a favor, um contra - acompanhar o entendimento do desembargador federal Maurício Kato, que já havia negado a concessão de liminar para libertar o político.

O ex-governador foi preso no âmbito da Operação Papiros de Lama, a 5ª. fase da Operação Lama Asfáltica, que apura crimes de corrupção em obras públicas do Estado durante a gestão do emedebista. No julgamento de ontem, o desembargador relator da ação no tribunal, Paulo Fontes, votou favoravelmente à libertação de Puccinelli e de seu filho, André Puccinelli Júnior, preso junto com o pai. No entanto, Kato e o desembargador André Nekatschalow votaram pela manutenção da prisão.

A defesa de Puccinelli deve entrar com recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ). O ex-governador era o nome indicado pelo MDB para disputar o governo do Estado nas eleições deste ano. Após sua prisão, ele acabou desistindo da candidatura. O partido lançou ao governo a senadora emedebista Simone Tebet, mas ela também desistiu de concorrer, duas semanas após ter se seu nome anunciado. A vaga de candidato do MDB foi assumida pelo deputado estadual Junior Mochi. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade