Publicidade

Estado de Minas

Kalil pede voto na eleição ao Senado e ainda não decidiu apoio para presidente

Prefeito de Belo Horizonte também é cortejado por presidenciáveis, mas ainda não se posicionou sobre o pleito


postado em 31/08/2018 13:11 / atualizado em 31/08/2018 17:05

Kalil vai se manter neutro na disputa pelo governo de Minas e ainda não se decidiu sobre a sucessão presidencial(foto: Alexandre Guzanshe / EM / D.A. Press)
Kalil vai se manter neutro na disputa pelo governo de Minas e ainda não se decidiu sobre a sucessão presidencial (foto: Alexandre Guzanshe / EM / D.A. Press)

Cortejado por todos, o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS), pediu votos, nesta sexta-feira (31), para o candidato do seu partido ao Senado, jornalista Carlos Viana. Kalil gravou com ele propaganda eleitoral para o rádio e para a televisão e o material já foi exibido no primeiro dia do horário gratuito.

Como havia dito no dia da convenção que oficializou a candidatura de Viana ao Senado, Kalil repetiu que só pedirá voto para um senador. Na ocasião, o prefeito pediu o mesmo aos apoiadores do apadrinhado. Disse que quem indicar mais de um nome divide os votos e prejudica o escolhido.

Segundo a assessoria do prefeito, ele só gravou propaganda direcionada para Viana. Também fará uma gravação única para candidatos a deputado federal e estadual do PHS, pedindo o voto no número da legenda.

Nem Alckmin, nem Meirelles


Procurado por praticamente todos os candidatos, Kalil já disse que não vai apoiar ninguém para o governo do estado. Na campanha presidencial, o prefeito afirmou ao Estado de Minas que ainda não se decidiu. A única definição, segundo ele, é que não apoia o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) nem o ex-ministro Henrique Meirelles (MDB).

Kalil contou ter recebido uma ligação de Meirelles na quarta-feira, na qual o emedebista disse que pretende lhe fazer uma visita. A data do encontro, no entanto, ainda não foi marcada. Kalil já recebeu quase todos os candidatos, faltando Alckmin, Meirelles e o candidato do Novo João Amoêdo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade