Publicidade

Estado de Minas

TRF4 nega participação de Lula em debate entre presidenciáveis

Direção do PT havia solicitado autorização para que ele fosse a programa na TV Bandeirantes, nesta quinta-feira


postado em 06/08/2018 19:03 / atualizado em 06/08/2018 19:27

Lula está preso na Superintendência da PF em Curitiba desde abril (foto: NELSON ALMEIDA)
Lula está preso na Superintendência da PF em Curitiba desde abril (foto: NELSON ALMEIDA)
A juíza federal Bianca Georgia Cruz Arenhart negou a participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no debate entre os candidatos a presidente da República nesta quinta-feira, na TV Bandeirantes.

A direção do PT havia recorrido ao Tribunal Federal da 4ª Região (TRF4) na tentativa de garantir uma autorização paa o petista participe de agendas de campanha, presencialmente ou via videoconferência.

No despacho, a juíza afirmou que há "limitações proporcionais dos direitos dos detentos, decorrentes da noção sistêmica do ordenamento jurídico" previstos na Lei de Execuções Penais. 

 

"As necessidades de preservação da segurança e da estabilidade do ambiente carcerário não permitem que o contato com o mundo exterior e o direito de expressão do condenado se concretizem pelas vias pretendidas, mediante realização de sabatinas/entrevistas, sequer contempladas na legislação. Ademais, obviamente autorização de tal natureza alteraria a rotina do local de cumprimento da pena, exigindo a alocação de agentes e recursos para preservação da segurança e fiscalização da regularidade da execução", escreveu a magistrada, que também considerou o PT parte ilegítima para ajuizar o recurso a favor de Lula. 


A juíza federal Carolina Lebbos, que é a responsável pela questão na Justiça de primeira instância, já havia negado no mês passado pedido para que fossem feitas entrevistas e gravações com o petista. 

O argumento dos advogados do partido é que ele teria o direito de fazer campanha até que a Justiça o declare inelegível em função da Lei da Ficha Limpa – o petista foi condenado por órgão colegiado a 12 anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro no caso envolvendo o triplex do Guarujá.

O nome do petista para a disputa presidencial foi aprovado na convenção do PT realizado nesse domingo.

O partido tem até 15 de agosto para pedir o registro da candidatura, que será analisado pelo Tribunal Superior Eleitoral. 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade